domingo, julho 31, 2011

Leitor reclama da possibilidade da cidade perder a área do Hipódromo

Por e-mail, Eduardo Braga, expõe sua legítima preocupação. É lamentável que a especulação imobiliária tome conta da cidade. A cidade é, ou deveria ser dos cidadãos. O blog tem informações de que um grupo de empresários, chamado de G-7, se juntou, e por cerca de 4,5 milhões, adquiriu em leilão toda aquela área. A primeira informação não é de construção de shopping ou comércio, e sim de moradias. O valor que foi adquirido é equivalente a 5% do que está custando o sambódromo que está sendo construído no final da avenida Alberto Lamego, que, aliás, poderia ter sido ali instalado, com outras serventias e muito menor custo.

Longe do blog estar aqui defendendo que o poder público entre para socorrer tudo enquanto são problemas de gestão de hospitais, clubes, associações, etc., aliás, quem lê regularmente o blog já sabe disto, porém, a condição de gestor público, não permite que este não enxergue os problemas e as oportunidades para intervir, regular e tentar melhorar a qualidade de vida em nossa cidade.

As cidades existem para a convivência humana, assim o território da cidade serve para a moradia, o exercício do trabalho e o direito à cultura e ao lazer, e nesta linha, é papel do poder público regular esta relação em nome da população e pela qual foi escolhido em votação. Será que estamos tendo isto em nossa cidade?

Enfim, o comentário do Eduardo como de muitos outros mostra que a população se preocupa com a pouca atenção que se dá à gestão da nossa cidade. Leia abaixo o desabafo do Eduardo que, assim como muitos moradores, se mostra atento, ao que está e deixando de ser feito em nosso município:

“Sr. Roberto!

Sou leitor assíduo do teu blog e sei do interesse que possui pela nossa sofrida região e por isto resolvi te enviar este email! Te escrevo para desabafar meu descontentamento ao ouvir um burburinho que torço que seja somente boato, mas já traumatizado, desde a adolescência, com a demolição de um prédio lindíssimo onde fica o atual supermercado Extra na Avenida Felipe Webe, sem contar com o primeiro Trianon que eu não pude conhecer. Me será um alento saber que não é verdade que pretendem demolir nosso hipódromo no Jóquei Club para construção do Shopping Iguatemi em Campos!

Campos dos Goytacazes é a cidade do povo sem amor ao Patrimônio Histórico! Demolir o Hipódromo do Jóquei Club para construir o Shopping do Iguatemi com tanta terra de canavial disponível em volta da cidade será uma tristeza...

Poxa! A prefeitura deveria desapropriar o Jóquei Club e transforma-lo em um grande Parque Público necessária para a cidade, adaptando os prédios históricos como espaço cultural! As arquibancadas poderiam ser adaptadas como platéia para uma sala de concerto tipo Ópera de Arame de Curitiba ou novo teatro! Os estábulos virariam Centros de Compras de produtos Artesanais locais, a pista de corrida se transformaria em jardins arborizados com pistas para cooper e atividades físicas, quadras de esportes e muita área verde como um mini-ibirapuera campista! Há muitas terras para se construir o Shopping Iguatemi, inclusive atrás do próprio hipódromo num terreno enorme no Bairro da Penha!

Desculpa este email de desalento, mas se tiver noticias de que este burburinho é falso coloque uma nota em teu blog para me aliviar! Sei que há problemas financeiros no club, mas espero que desta vez o bom senso e respeito à história prevaleça

Grato

Eduardo Braga, Campos dos Goytacazes-RJ.”

Cidade sofre com fumaça

O blog está recebendo por e-mail e em comentários diversas reclamações por conta da enorme nuvem de fumaça em grande parte da área urbana de Campos. Do alto dos prédios é pequena até a visibilidade diante da intensidade da fumaça. Mais do mesmo. Domingo, à noite, tem sido o dia escolhido para as grandes queimadas. Os leitores solicitam que o blog se manifeste. Seja feito as suas vontades.

Prefeita Carla Machado esclarece nota do blog

A prefeita Carla Machado em telefonema, na tarde deste domingo ao blogueiro, reclamou de não ter sido ouvida na nota postada aqui na última sexta-feira. (Veja aqui). Porém, a prefeita confirmou que realmente fez convite a Mackoul, não propriamente para ele ser candidato a prefeito pelo PMDB em Campos, mas para fazer parte do processo de construção de uma alternativa eleitoral para o maior município da região.

Carla que afirmou ser leitora assídua e apreciar este blog disse ainda: “Eu não vou interferir numa decisão que compete ao diretório municipal e estadual. Eu não vou é ficar parada. Eu sou campista e este povo não merece o que está passando, apenas quero ajudar a encontrar uma solução que permita Campos se deslanchar. A minha maior preocupação é eleger meu sucessor em São João da Barra, mas, não me furtarei a ajudar na construção de uma alternativa para Campos. Nesta empreitada há que se buscar ainda muita gente para ajudar.”

O DISJB, a Codin e as desapropriações no Açu

Nesta próxima semana, a Codin começa a pagar o “auxílio-produção” como ressarcimento dos chamados lucros cessantes, aos pequenos produtores rurais que tiveram suas propriedades desapropriadas na região do Açu, onde o grupo EBX constrói o seu Complexo Logístico-industrial e a Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro (Codin) instala o seu 11º distrito industrial.

Assim, o governo estadual assume gastos, para além das desapropriações, para instalar mais um distrito industrial em nosso estado.

Interessante é observar que o EIA/Rima (Estudo de Impacto Ambiental) do Distrito Industrial de São João da Barra (DISJB) foi protocolado agora em julho no Inea (Instituto Estadual do Ambiente) pela LLX Açu Operações Portuárias S/A, empresa do grupo EBX e não pela Codin.

O EIA/Rima do DISJB foi elaborado pela empresa Ecologus Engenharia Consultiva Ltda. em associação com a Agrar Consultoria e Estudos Técnicos S/C Ltda e através dele, a LLX solicita o licenciamento ambiental para emissão de licença prévia (LP) para construção e operação das Infraestruturas do Distrito Industrial de São João da Barra (DISJB) que prevê investimentos num valor total estimado em cerca de R$ 3 bilhões.

O governo do estado investe nas desapropriações das terras, já começou a pagar o “auxílio-produção”, a todos os produtores que assinaram o termo de adesão junto à Codin, em valores que variam de 1 a 5 salários mínimos, conforme o tamanho e a quantidade de benfeitorias existentes em cada propriedade e permanecerá pagando este auxílio pelo período de, pelo menos, 2 anos, sempre no quinto dia útil do mês.

A implantação do DISJB ocorrerá em etapas ao longo de quatro anos e meio. Ele foi instituído pelo Decreto Estadual nº 41.585/2008, obedecendo o zoneamento e uso do solo estabelecidos na Lei do Plano Diretor Municipal editada em 2008, a área de implantação do empreendimento está integralmente inserida em Zona de Expansão Industrial.

O DISJB tem uma área próxima da costa com 7.036 hectares, vizinha à Zona Industrial do Porto do Açu - ZIPA. Segundo os empreendedores, o conjunto de empreendimentos em andamento na ZIPA mais os planejados para o DISJB formam o Complexo Logístico e Industrial do Porto do Açu - CLIPA.

Fica evidente que trata-se de uma PPP (Parceria Público Privada), porém, é necessário que fique mais clara a relação entre as responsabilidades e os direitos entre o público e o privado.

O EIA/Rima informa que o DISJB será administrado na forma de um Condomínio Industrial e, a previsão é que tão logo esse Condomínio seja constituído, será criado um Conselho de Administração e instituído um “Ente Gestor” do Condomínio. Ainda segundo o EIA/Rima do DISJB, o Conselho será composto por representantes do governo, pela LLX e pelas outras empresas que se instalarem no DISJB.

As relações que se estabelecerão entre as futuras indústrias e o “Ente Gestor” para a gestão ambiental do Condomínio Industrial serão orientadas por “Regulatório Ambiental – MRAque fará parte da convenção condominial. Assim, “o MRA estabelecerá diretrizes a serem plenamente observadas, sob funções de compromissos assumidas pelas futuras indústrias, inicialmente perante LLX Açu e,quando instituído, perante o "Ente Gestor" do DISJB, bem como perante os órgãos públicos competentes”.

Ainda no EIA/Rima do DISJB, que legalmente é o instrumento para solicitar o licenciamento ambiental para a emissão da Licença Prévia (LP) do DISJB foi informado sobre a existência de um “Memorando de Entendimentos” da empresa LLX Açu Operações Portuárias S/A com o governo do Estado do Rio de Janeiro, dizendo que esta fica responsável pela implantação das infraestruturas de uso comum do DISJB e, também pelo licenciamento ambiental do empreendimento.

Aqui, percebe-se que a toda a PPP (Parceria Público-Privada) está calçada no citado “Memorando de Entendimentos” e nas regras citadas acima de constituição do Conselho de Administração e “Ente Gestor” do Condomínio Industrial. Por isto, estas questões precisam ficar mais claras para toda a população.

Entendendo a instalação do DISJB após a Fazenda Caruara se transformar em unidade de conservação ambiental como uma das compensações exigidas pelo licenciamento do Inea

Aqui é interessante recordar porque o distrito industrial não é particular e como o processo se deslanchou até este desenho.

Quando a EBX, a holding que congrega os diversos empreendimentos decidiu instalar no Açu uma unidade de beneficiamento de minério de ferro aqui adquiriu duas grandes propriedades: Saco Dantas e Caruara.

Bom relembrar que a própria EBX admitiu, que a instalação no Açu deveu-se, basicamente, ao fato desta ser a única grande área litorânea disponível e barata, em toda a região Sudeste.

Mais, as grandes áreas, destas duas propriedades facilitava o processo de aquisição, difícil de ser negociadas, se fossem pequenas glebas, como as que circundavam estas duas grandes fazendas, em áreas de restinga com pouca utilização agrícola ou pecuária.

Assim, foi dado o start para os projetos do mineroduto, da ampliação da lavra no estado de Minas Gerais, do projeto do porto, que com a valorização do minério de ferro no mercado internacional, ganhou outras possibilidades com a agregação da geração de energia elétrica com o carvão retornado dos navios que levarão o minério, com as atividades de exploração de petróleo no litoral da região, com a entrada da empresa inglesa, Anglo American como sócia (49% da MMX) e do BNDES (12% da LLX) como sócios dos primeiros negócios, etc..

Assim, o projeto se estendeu para a perspectiva da implantação do conceito de porto-indústria e do Complexo Logístico Industrial, hoje conhecido, com a definição da construção do estaleiro para construção de plataformas e dos navios para extração de petróleo no mar, das perspectivas de duas siderúrgicas, uma montadora de automóveis, etc.

Antes do avanço destas perspectivas, o grupo EBX, diante da exigência do Inea (Instituto Estadual de Ambiente) de garantir uma grande área para instalação de uma unidade de conservação, na maior área de restinga do Brasil, exatamente em toda a extensão da Fazenda Caruara (aproximadamente 5.000 hectares) ameaçou desistir do negócio na região, por conta das dificuldades em viabilizar a área para todo o empreendimento.

A EBX havia projetado instalar em uma fazenda os seus empreendimentos e na outra um distrito-industrial particular, se tornando sócio de todos os empreendedores que ali se instalassem, pela garantia de fornecimento de área para sua instalação, mais o fornecimento de água, energia elétrica, tratamento de resíduos e ainda a logística para escoamento da produção.

A perda da Fazenda Carura para ser uma RPPN (Reserva de Proteção Natural) de proteção à restinga, exigia que o grupo adquirisse, individualmente, as glebas menores dos produtores rurais, que já sabedores do empreendimento, valorizaram seus valores de venda. A LLX chegou a adquirir algumas destas propriedades, mas, não para suprir o que tinha antes com a Caruara.

Aí entra a solução de que a Codin (Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro) viabilizasse, junto da PMSJB, a implantação um Distrito Industrial, articulado com o porto, numa concepção de um único Complexo Logístico-industrial.

Para viabilizar o Distrito Industrial o governo estadual entraria com o seu poder e com o (alegado) “interesse público desapropriando estas pequenas propriedades, segundo avaliações anteriores ao empreendimento a partir de avaliações de órgãos governamentais e da Justiça.

Se desejar você poder ler aqui a íntegra a nota “Entendendo os problemas das desapropriações no Açu" publicada neste blog no dia 26 de abril de 2011.

A Estrutura do DISJB

O loteamento do Distrito foi planejado pela Codin (Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro) e contemplará quadras e lotes de 80 a 1300 hectares, agrupados em 8 áreas. No presente licenciamento prevê-se o aterro, terraplenagem e arruamento interno das Áreas 1 e 5, situadas no lado norte do DISJB. (veja imagem ao lado)

Essas áreas serão subdivididas em pequenas quadras para implantação das infraestruturas necessárias aos empreendimentos industriais e de serviços que serão implantados gradativamente.

As vias rodoviárias terão pavimento asfáltico e serão compostas por duas pistas com canteiro central de largura variável conforme a via. Estão previstos aproximadamente 132 km de vias no DISJB, com cerca de 9.400.000 m³ de aterro. Ao longo destas vias existirão 44 interseções e 8 viadutos.

Todos os lotes serão atendidos por vias rodoviárias. Complementando o sistema de circulação, na malha viária do DISJB também será incluída circulação de trens (ferroviária) para acesso às indústrias cimenteiras, siderúrgicas e para as áreas dos terminais rodoviários e de caminhões. (vide mapas)

Está prevista para o DISJB a implantação de redes de distribuição aéreas com um total de 92,5 km de extensão. A iluminação pública será implantada numa extensão total de 114,5 km e será instalada no canteiro central das vias de circulação rodoviária do Distrito, fixadas em postes de aço.

Para as necessidades de água do Distrito projetou-se a demanda de uma vazão de 10 m /s que será captada do Rio Paraíba do Sul. Já para o esgoto foram projetadas duas estações para tratamento dos esgotos sanitários produzidos pelo DISJB e suas indústrias. Os esgotos tratados serão dispostos no mar por emissário submarino que será lançado a uma distância de 4,6 km da costa.

sábado, julho 30, 2011

A música da craque Rosinha...

A nossa Rosinha é de Valença, outra cidade fluminense. Segundo dizem, o cronista Sérgio Porto, o Stanislaw Ponte Preta, é quem lhe deu o complemento do seu nome artístico, por considerar que "ela tocava por uma cidade inteira". A de Valença. Assim nasceu Rosinha de Valença, a violonista, compositora e cantora, Maria Rosa Canelas que viveu entre 1941 e 2004:

Dá-lhe Goyta!

Depois do susto com os incêndios (ver notas abaixo) o blog volta a comemorar e parabenizar a imensa torcida do Goytacaz, pelo título da Série C, seguindo em frente para seu retorno à 1ª Divisão do futebol de nosso estado. Abaixo imagem do site oficial do Goyta com a comemoração dos jogadores junto com os torcedores, no campo do Bonsucesso, no Rio de Janeiro, onde o Goyta ganhou mais uma do Juventus por 1 x 0. A torcida está nas ruas e promete receber o time com comemorações em trios elétricos na Rua do Gás e também na avenida Pelinca por volta das 23 horas:

Fogo no morro Itaóca

O Admardo Azevedo Silva registra mais uma vez e colabora com o blog. O fogo que era em uma das encostas, neste momento, às 18:30, já se alastrou para outro lado. O incêndio toma corpo naquela reserva com o vento forte. Bom que os Bombeiros sejam acionados.

Fogo acabou, mas queimou num trecho da Beira-valão

Não é a primeira vez que o fogo atinge aquela região. Em 2006 (veja aqui) o fogo criou problemas e assustou moradores da área circunvizinha. Ainda não é possível saber a origem do incêndio, se alguém colocou fogo para queimar o capim, ou se foi um incêndio acidental. No momento em que o fogo pegou, o vento sul era muito forte, o que certamente contribuiu para que ele se alastrasse rapidamente, aumentando o risco de atingir as residências. O blog não tem informações sobre isto, a verdade é que o fogo esteve muito próximo das residências, não paenas do Condomínio Golden Garden. Veja abaixo o vídeo feito por volta das 17:30 pelo blog:

Fogo se alastrou para a Beira-valão e atingiu torre de transmissão da Ampla

Na imagem abaixo em que aparece o novo hotel Confort na avenida 28 de março. O fogo atrás é o que pegou na Beira-valão, o terreno onde iniciou o fogo tem agora apenas os resquícios do fogo.

Fogo em terreno atrás do Condomínio Golden Garden atrás do Mc Donalds

Atualizado às 17:26: O fogo agora se alastrou para a Beira-valão. O vento forte em rajadas ajudou na rapidíssima propagação do fogo. O fogo atingiu a linha de transmissão que chega à Subestação da Ampla e parte da cidade teve a energia cortada.

Atualizado às 17:46: Veja foto em outro ângulo enviada com informações pelo Admardo Azevedo da Silva:

“Oi Roberto,

Seguem fotos de uma queimada que ocorre neste momento (17:15 hs) dentro da cidade de Campos. É junto ao condomínio ao lado do McDonald's (acho que o nome é Golden Garden)

Sds. Admardo Augusto Azevedo Silva.”

Final Goyta 1 x 0. Campeão rumo à 1ª Divisão!

Goyta 1 x 0 Juventus

20 minutos do segundo tempo. PS.: Atualizado às 16:38: Aos 28 minutos segue Goytacaz 1 x 0 Juventus. Via celular.

Final de 1º tempo: Goyta: 0 x 0 Juventus

Atualizado às 16:21: 12 minutos do 2º tempo e segue 0 x 0.

Ambulância de deputado sem placa

Quem enviou por e-mail ao blog foi o Celio Marins, informando estar postado em seu blog "Campos de Política - Olho de vidro": "Nobre amigo e Blogueiro Roberto Moraes publiquei em meu blog hoje estas fotos, uma Ambulancia Particular do Deputado João Peixoto trafegando por nossas ruas sem as placas de identificação, Enquanto vemos Blitz e mais Blitz nas nossas Ruas apreendendo todo tipo de veiculo irregular, e eu apoio esta atitude, me deparo com esta cena revoltante, não é de hoje que venho observando este veiculo em nossas ruas, com certeza esta com IPVA atrasado e etc, atenção DETRAN multa e apreensão de veiculo é o que diz a lei. Caso queira publicar fique a vontade um abraço. http://camposdepolitica.blogspot.com/2011/07/ambulancia-particular-de-deputado.html "

Dia Azul é dia do Goyta!

Hoje o Goytacaz disputa a final da Terceirona, às 15 horas, contra o Juventus, no Rio de Janeiro. No 1º jogo o Goyta colocou a vantagem de 2 gols. De cá, na torcida, o blog aproveita porque é sábado e traz Azul com Djavan:

Diesel de cana

O diesel de cana será testado durante um ano numa frota de 20 ônibus urbanos da Viação Saens Peña no Rio. O diesel de cana será misturado numa proporção de 30% com o diesel do petróleo. A Fetranspor tem grande expectativa em termos de desempenho do biocombustível como contribuição ao meio ambiente. Os testes estão sendo coordenados pela empresa Amyris Brasil.

sexta-feira, julho 29, 2011

Carla Machado convidou Mackoul para ser candidato pelo PMDB em Campos

O convite da prefeita de São João da Barra não estava nos planos de outros líderes partidários que articulam a frente de oposição em Campos. Mackoul foi candidato a prefeito pelo PT em 2004, e depois nas eleições extraordinárias de 2006. Ultimamente, depois de ter saído do PT, se aproximado do PCdoB, quase se filiou ao PSDC, do deputado João Peixoto, caminho para o qual teria indicado o suplente de vereador pelo PT, Manoel Sales, que nas eleições de 2008 teve cerca de 2,2 mil votos. Mackoul, que recentemente perdeu sua esposa, ainda não definiu sua posição e o PMDB já decidiu incluir o seu nome para ser analisado nas próximas pesquisas. Entre os que estão estranhando este encaminhamento é o deputado estadual Roberto Henriques, que imaginava estar garantido como o principal candidato do governador, independente, das conversas de dirigentes dos partidos da Frente Democrática com o Picciani. Henriques já tem garantida a sua ida para o PSD (aguarda só a confirmação do registro do partido) de onde imaginava ter o apoio maior do governo estadual, mesmo que os outros candidatos, que hoje articulam a Frente se apresentem como candidato. Henriques está entre os que aposta em maior número de candidatos da oposição para levar a eleição para o 2º turno em Campos. O presidente do PMDB em Campos, Ivanildo Cordeiro está a par de toda esta movimentação, mas, não emitiu opinião ainda sobre ela. Cordeiro se ressente da decisão do PMDB regional em relação à questão da mudança de posição sobre a estratégia de expulsão, ou não, da prefeita Rosinha do partido. Ivanildo é candidato a vereador e está aberto às diversas possibilidades. Com a chegada de agosto na próxima segunda-feira, haverá pela frente pouco mais de 60 dias para que as decisões sobre filiações e a definição das primeiras coligações sejam tomadas. Aguardemos os próximos passos.

Geoparque “Costões e Lagunas” de Maricá a SJB

Um encontro aconteceu na manhã desta sexta-feira na Casa de Cultura João Oscar do Amaral Pinto, no centro de São João da Barra para discussão do que foi chamado de “Geoparque Costões e Lagunas”.

Segundo a Secom da PMSJB estiveram presentes no evento o secretário municipal de Meio Ambiente, Marcos Sá, o subsecretário da pasta, Alex Firme, o assessor da secretaria, André Pinto – organizador do encontro, o vereador Alexandre Rosa, além da coordenadora do projeto, Kátia Mansur, que é doutora em Geologia pela UFRJ, Gisele Ferolla, da Universidade de Zurique, e Álvaro Cruz, da secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado do Rio de Janeiro e ainda do professor e historiador ambiental Aristides Soffiati.

Durante o encontro foi abordada a temática Geoparque e suas finalidades: “São locais com sítios do patrimônio geológico e paleontológico de especial importância científica e serão protegidos de forma sustentável, gerando atividades de geração de renda, principalmente turísticas. Vinculado ao Ministério de Minas e Energia, através do Serviço Geológico, o Projeto Geoparques terá um plano de desenvolvimento regional integrado à realidade local”.

O Geoparque “Costões e Lagunas” já mapeou 144 sítios, entre eles, a Lagoa Salgada (ou do Salgado), sítio geopaleontológico situado em São João da Barra, originário do período pré-cambriano com espécies raras como o estromatólito, considerado o único fóssil vivo e que explicaria a origem da vida. Além disso, São João da Barra conta com peculiaridades no quesito patrimônio natural e arquitetônico.

“O projeto fluminense abrange 15 municípios do litoral, de Maricá, na região metropolitana, até São João da Barra, no norte fluminense. A partir deste levantamento faremos um inventário do projeto a ser apresentado à Unesco entre os meses de outubro e dezembro deste ano”, esclarece Kátia Mansur.

Caso aprovado, dará ao país o segundo geoparque das Américas e o 78ª do mundo. O Geoparque de Araripe foi criado em 2006, no Ceará. Os estados de Minas Gerais e Mato Grosso do Sul também já apresentaram propostas e pleiteiam o selo, que garante reconhecimento mundial, por meio de uma rede global, estimulando o turismo científico e cultural.

O Geoparque oferece a possibilidade de proteção da paisagem e dos monumentos naturais, aliada ao turismo e ao desenvolvimento sustentável, focados em infraestrutura, atividades econômicas na área gastronômica, artesanal, dança, cursos de qualificação para fiscais e guias, eventos literários, científicos e ecológicos.

“Os municípios podem trabalhar com roteiros geoturísticos. Para percorrer o Geoparque Costões e Lagunas um turista fecha um pacote de 15 dias. Para se tornar Geoparque é preciso importância internacional e este tem. Na Lagoa Salgada, por exemplo, existem várias teses internacionais e é bem conhecida no exterior. Os estromatólitos são a evidência do início da vida, foram responsáveis pela atmosfera e são reservatórios do pré-sal, isso pouca gente sabe. É bom lembrar também que precisamos do envolvimento das comunidades no projeto. As pessoas têm que se apropriar e reconhecer sua importância”, ressalta Mansur.

Para André Pinto, São João da Barra saiu na frente: “participamos de diversas reuniões da organização para a criação do Geoparque, além de sermos um dos sete primeiros municípios a fazerem reunião com a sociedade. Nesta reunião de hoje saímos mais fortalecidos ainda”. E acrescenta: “Geoparque é a proteção que teremos relacionadas ao patrimônio e visa incentivar a população local a conhecer e valorizar sua origem. Podemos ter um minimuseu da vida no planeta na localidade do entorno da Lagoa do Salgado com amostra de estromatólitos, filmes, peças teatrais, teses, teses, museu dormitório, internet, artesanato temático, ponto de memória da localidade, reunião para contar causos, lendas, danças típicas. Um verdadeiro centro cultural na localidade. A Lagoa do Salgado ser com certeza a comissão de frente deste Geoparque.”

Segundo André, houve um desdobramento do encontro e ficou acordado com a Casa da Ciência da UFRJ que durante a Semana Nacional da Ciência e Tecnologia haverá uma parceria com o Núcleo de Educação Ambiental da secretaria municipal de Meio Ambiente e o Espaço da Ciência para formalizar um evento para discutir assuntos relativos à Lagoa do Salgado com os estudantes das escolas municiais do entorno e comunidade.

Fonte: Secom PMSJB.

Em Campos

Fernando Aguiar e enviou ao blog às 15:30: "Caro Professor Roberto:

Há cinco minutos tirei estas fotos de uma manifestação contra o Porto do Açu que se dirigia para a sede da Prefeitura gritando palavras de ordem e outras nem tanto...

É a sociedade se manifestando...

Abraços

Fernando Aguiar."

217 milhões de celulares

Este é o atual número de linhas de celulares no Brasil. A liderança continua com a Vivo com 29,4% do mercado (64 milhões de clientes). Em 2º lugar agora estão praticamente empatados a Claro e a TIM com 25,5% (55 milhões de clientes). É muita dinheiro entrando com toda estas linhas de celulares que não acabou, mas, reduziu drasticamente o uso da telefonia fixa.

Leitores de e-books consomem mais livros

Segundo pesquisas feitas pelo Book Industriry Study Group (BISG) os adeptos dos livros digitais ou eletrônicos (e-books) gastam mais dinheiro e consomem mais títulos que os leitores de edições impressas. Ainda segundo a pesquisa três fatores incentivam a compra de livros digitais: preço, facilidade de baixar conteúdo e comodidade na leitura.

Qual a mensagem?

Fantasias, máscaras, espada, bote, remo, queda...

quinta-feira, julho 28, 2011

Campos na Turquia

Diante de tantos maus exemplos que a nossa cidade oferece ao mundo, o blog reage mostrando o outro lado: gente da terra que é séria, dedicada e que batalha duro, de forma honesta e criativa para avançar em seus sonhos e na sua profissão.

Assim já falamos hoje, de uma dupla de designers. Agora, o blog cita um fisioterapeuta que também é professor do Isecensa, com especialização em recuperação acelerada de atletas. O blog fala do Sileno Júnior.

Sileno viajou para a Turquia a convite do jogador campista Nunu, que há anos faz sucesso no futebol daquele país. Junior foi também para cuidar de atletas brasileiros que atuam por lá e estiveram recentemente em Campos por ocasião do jogo das estrelas, dentre eles, o próprio Nunu que fez recentemente pequena cirurgia em São Paulo e que começou em Campos, o seu processo de recuperação.

Aproveitando a estadia, Sileno visitará os times turcos que disputam o campeonato europeu, para conhecer melhor a realidade da fisioterapia desportiva daquele país. São três grandes times, o Fernerbahce, que já foi dirigido por Zico, o Bursaspor, atual time do jogador campista e o Galatasaray.

Segundo Sileno Junior, os turcos são também apaixonados por futebol. A média de público nos estádios é de 50 mil pessoas. Em Istambul há campos de futebol espalhados por toda a cidade. Agora, em pleno verão, geralmente os jogos são noturno, por causa do calor que ultrapassa 40 graus. Vale lembrar que na Copa de 2002 a Turquia ficou em terceiro lugar.

Vale a coragem da luta e o esforço pela transformação!

Um abraço ao blogueiro Herval Junior pela bela homenagem (aqui) a todos os blogueiros da nossa Rede Blog que resistem ao pen$amento único. Sigamos em frente!

Câmara de SJB aprova autorização de remanejamento de até 50% do orçameto 2011

Em sessão extraordinária realizada no início desta tarde, a Câmara de São João da Barra aprovou o projeto de lei 006/11, enviado pelo Poder Executivo, e que propõe alterações na LDO e na LOA de 2011, para que o Executivo tivesse autorização para remanejar até 50% (equivalente a R$ 192 milhões) e também criar crédito adicional suplementar via decreto. A matéria foi aprovada pela bancada governista, que hoje é maioria na Casa. A bancada de oposição apresentou uma emenda para reduzir esse índice para 15% , porém, a proposta foi reprovada pela maioria.

Programação do Sesi Cultural em agosto

PS.: Clique sobre a imagem para ver em tamanho maior.

Designer local para o mundo

É sempre bom valorizar a cultura, a arte e o empreendedorismo local. Assim, este blog chama a atenção para o trabalho das amigas crafter e designer, Ana Hissa e Bel Carvalho, duas ex-alunas de design e do curso de pós em Gestão de Design e Marketing do IFF, os dois no IFF, que estão, literalmente, fazendo a prosa do ponto. Recentemente, elas se juntaram para colorir e embelezar nossa cidade e quem mais as alcançar pelo mundo virtual. Elas criam e confeccionam lindas peças artesanais utilizando tecidos importados e nacionais misturando rendas, bordados, fitas e principalmente muita paixão pela arte. Elas são do Ponto&Prosa, que atualmente funciona no sítio da Ana, situado no Km 9 da Campos- Vitória, ou visitando a produção aqui ou aqui. A imagem ao lado é de uma necessaire masculina bolada como um belo presente para o dia dos pais. Telefones para contato: (22) 981968490/ 27394086)/ 27329306.

Futebol e apostas online: nova moda na região

Baseado num site internacional, se espalhou pela cidade as apostas em resultados de jogos de futebol de todo o mundo. Bares da área central e periferia dispõem de um notebook ligado por aquele modemzinho, tipo pendrive, na entrada USB, permanentemente conectado e transmitindo ao vivo, resultados 24 horas, online, em jogos em todo o planeta.

As apostas no time vencedor, placar, gols do vencedor e/ou perdedor, etc. geram os mais diferentes tipos de apostas, baseadas nas probabilidades, parece que da Bolsa de Londres, onde se aposta tudo.

Por aqui, ao invés da aposta online na rede, a maioria faz seus prognósticos naqueles conhecidos talões, até então usados no jogo de bicho.

Segundo informações obtidas pelo blog, algumas apostas são altas, até de R$ 2 mil e o pagamento pode superar a centena de milhar de reais por ponto de aposta.

Isto, talvez, ajude também a explicar o declínio do jogo de bicho (que agora criou um novo sorteio das 11 horas, juntando aos das 14h, 18h e 21 horas) pela atração que o futebol gera no país, e, especialmente, pelas transmissões de jogos de tudo em que é canto do planeta.

O sucesso das redes de cabo que transmitem futebol e o fato da próxima Copa ser no Brasil, só aumenta a potencialidade deste tipo de aposta se arrastar feito rastilho de pólvora pelos municípios brasileiros.

Uma pequena prateleira é colocada numa parede com o notebook aberto aqui neste site e... Dá-lhe apostas. É mais um efeito da globalização...

Novas estimativas de população do grupo EBX para SJB e Campos: 1,2 milhão de habitantes em 2025

O blog trouxe em janeiro pela primeira vez estas estimativas que constavam do EIA/Rima (Estudo e Relatório de Impacto Ambiental) do estaleiro OSX, pertencente, ao grupo EBX, empreendedores do Complexo do Açu. (veja aqui e aqui) Já na ocasião, o blog chamou a atenção sobre a diferença de números destas estimativas que o EIA/Rima da OSX chamava, as menores de “Estimativa de Curto Prazo” (embora se referisse a números para uma data fixa de 2025). Sobre o assunto o blog questionou o diretor de Sustentabilidade da EBX, Paulo Monteiro em uma das perguntas (a de nº 5) da entrevista que o blog fez com o mesmo, no dia 24 de fevereiro de 2011 (veja aqui), que a juízo do blog não foi respondida de forma a clarear estes números.

Os diversos EIA/Rima que vêm saindo para que os empreendimentos possam ser licenciados, trazem informações novas. A maioria delas vem se repetindo, outras aperfeiçoadas e outras modificadas, sem ainda se saber, se para melhor ou pior.

Dos últimos para os primeiros foram os seguintes os EIA/Rima apresentados relativos ao empreendimento do Complexo Logístico-industrial do Açu (CliPa):

EIA/Rima da Siderúrgica Ternium Brasil (2010);

EIA/Rima da Unidade de Construção Naval do Açu (2010);

EIA/Rima da Usina Termoelétrica Porto do Açu II (2010);

EIA/Rima da Linha de Transmissão de 345 kV – Porto do Açu/SE Campos (2009);

EIA/Rima da Usina Termoelétrica Porto do Açu I (2008);

EIA/Rima do Pátio Logístico e Operações Portuárias Porto do Açu. (2008);

EIA/Rima do Porto do Açu (2006);

EIA/Rima do Mineroduto Minas-Rio (2006);

Relatório Ambiental Simplificado das Obras de Drenagem e Dragagem dos Canais da Baixada Campista(2010).

Bom relembrar que este blog e muitas outras pessoas e instituições chamaram a atenção para a necessidade de uma análise da sinergia (relação) entre estes estudos e relatórios dos diversos empreendimentos do Complexo do Açu, ação que até hoje, embora comentada, não se teve conhecimento de sua execução.

Pois bem, os números das estimativas de emprego que o blog apresenta abaixo foram extraídos do EIA/Rima mais recente, em fase de análise e que demandará ainda Audiência Pública, que é o do Distrito Industrial de São João da Barra (DISJB).

Interessante observar que nas estimativas anteriores de população para 2025, os números menores indicavam para o ano de 2025, portanto para daqui a 14 anos, uma população de 300 mil habitantes em SJB e 751 mil habitantes em Campos.

As estimativas maiores apontavam, também para 2025, os números de R$ 732 mil habitantes em SJB e 1.124.000 habitantes em Campos.

Agora, por estas estimativas constantes do EIA/Rima do DISJB, está prevista também para o ano de 2025, a população de 410 mil habitantes em SJB e 834 mil para Campos, ou, numa soma da população dos dois municípios de 1,2 milhão de habitantes.

Este número é cerca de 120% maior do que, os cerca de 500 mil habitantes que hoje, Campos dos Goytacazes possui somado com a população de São João da Barra. Veja a tabela extraída do EIA/Rima do DISJB que também trata da questão do PIB:

(Se desejar ver a tabela em tamanho maior clique sobre ela)

Ainda no próprio EIA/Rima do DISJB (que o blog tratará mais detalhadamente em nota posterior) há a descrição da demanda pela construção, para os próximos 14 anos, de um total de 123 mil novas casas em São João da Barra e de 103 mil em Campos, de forma a atender ao crescimento previsto da população campista e sanjoanense.

Cirurgias gratuitas de lábios leporinos e fenda palatina

Foi solicitado e o blog faz circular a informação da campanha de cirurgias gratuitas no Hospital Universitário da UFRJ, no Fundão, Rio de Janeiro nos próximos dias 6 e 7 de agosto:

Santos x Fla: que belo jogo!

Independente do placar elástico e apertado (4 x 5) foi um jogo sensacional pelas alternâncias, mas principalmente pelas oportunidades de gol convertidas e perdidas. As defesas foram mal, bom para os torcedores, porque quando o ataque supera, como hoje, as defesas tem-se, quase sempre, belos jogos. Com este jogo Ronaldinho Gaúcho marca, definitivamente, sua passagem pelo Flamengo. Uma belíssima partida, quando liderou o time, desde quando o placar era adverso em 3 x 0, a falta maliciosamente batida até o último gol que foi o da virada. Neimar também fez, mais uma vez outro jogaço. Não repetirei o que foi dito nas tvs de um jogo para entrar na história, porque acho um exagero, mas, efetivamente foi um jogo que marcou. Repito: belíssimo jogo! PS.: Atualizado e ampliado às 01:00. Atualizado às 01:12 com os gols e os melhores lances postado abaixo:

quarta-feira, julho 27, 2011

Aeroporto para quem?

Desde que assumiu a prefeitura (através de sua esposa) o ex-governador Garotinho vem brigando para que a municipalidade de Campos assuma o aeroporto Bartolomeu Lysandro e, sem seguida, conceda à iniciativa privada.

Os funcionários da Infraero em Campos já foram avisados para buscar transferências para outros aeroportos ou setores públicos para se colocar, porque as funções serão terceirizadas para, a seguir, serem concedidas à iniciativa privada.

O que se deseja saber é se o interesse no aeroporto, hoje com baixíssimo movimento, é da já conhecida Odebrecht ou da Queiroz Galvão. O que há por trás deste angu?

Festa da torcida do Goyta!

Final: Goyta 2 x 0

Goyta 2 x 0

video

Goyta 1 x 0 Juventus

Água para o DISJB

A água será captada no Rio Paraíba do Sul em Caetá conforme a imagem abaixo. A obra de construção da adutora de captação de água de abastecimento será a primeira atividade para viabilização do DISJB. Pelos estudos iniciais a necessidade de água para o Distrito é de uma vazão de 10 m³ /s*, que segundo o Rima é 35 vezes menor que a disponibilidade de água do rio Paraíba do Sul no ponto de captação. * Atualizado às 18:56: Agradecendo a correção do Marcos Salomão em comentário abaixo.

terça-feira, julho 26, 2011

“A quem interessa ocultar a Rede Blog de Campos?”

O título é de um texto do blog Carraspana Campista, do Joca Muylaert, do qual este espaço extraiu dois parágrafos, mas que pode ser lido na íntegra aqui. A cooptação tem seus limites:

“Desde o primeiro blog que foi ao ar em Campos, sem dúvida, a população e os órgãos fiscalizadores e controladores passaram a contar com mais uma fonte onde podem sorver informações e posições que dificilmente estariam estampadas nas páginas dos veículos de comunicação tradicionais. Não é nada difícil entender a dificuldade que certos órgãos de imprensa têm em se manter exclusivamente jornalísticos...

... Por outro lado, o esforço de uma Rede de Blogs, como é a de Campos, com a participação de Blogs de municípios vizinhos, não deve ser vista apenas como um passa tempo dos que lhes dão vida, mas mais um instrumento de debate e ponto de partida para as autoridades competentes atuarem em suas diversas atribuições. Não é a toa o esforço de forças que se julgam poderosas - que prefiro entender como dominantes - na tentativa de denegrir a Rede. Por outro lado, grupos da comunicação formal chegam a criar seus próprios aglomerados de blogs, comumente assinados por funcionários - que não recebem nada a mais por este serviço - ou pessoas que emprestam seus nomes achando estar ganhando luminosidade ou prestígio social. Quando, na verdade, estão a desserviço desta mesma sociedade.”

Eleição para Comitê da Bacia do Baixo Paraíba do Sul

O blog recebeu pedido de divulgação da Thaís Nacif:

"Prezado Professor Roberto, Boa tarde.

Gostaríamos de seu apoio para divulgar o Processo Eleitoral do Comitê de Bacia do Baixo Paraíba do Sul Biênio 2011-2013, que acontecerá agora no mês de agosto e início de setembro. O Comitê de Bacia é um importante instrumento de gestão das águas do Rio Paraíba do Sul na nossa região e abrange 22 municípios do Norte e Noroeste do Estado do RJ. É formado por diversos representantes de 3 segmentos: Poder Público, Sociedade Civil e Usuários, e é no Comitê que são discutidos os problemas enfrentados na região relacionados aos Recursos Hídricos.

Mais informações do Comitê de Bacia do Baixo Paraíba do Sul:

http://www.agevap.org.br/agevap/index.php?comite=cm_baixoparaiba

Local onde pode se obter o edital do processo eleitoral:

http://www.agevap.org.br/agevap/index.php?comite=cm_baixoparaiba ou http://www.agevap.org.br/agevap/

Obs: Segue anexo o Edital do processo Eleitoral do CBH BPS e duas fotos do Comitê em suas reuniões.

Muito obrigada

Atenciosamente

Thaís Nacif

Coordenadora de Núcleo – CBH BPS

UD4 – AGEVAP."

Emissário submarino está previsto para o Açu

Além de duas estações para tratamento dos esgotos sanitários produzidos pelo Distrito Industrial de São João da Barra (DISJB) e suas indústrias, o Complexo do Açu tem a previsão da construção de um emissário submarino cujo ponto de lançamento será a uma distância 4,6 km da costa.

Pelo projeto, antes do lançamento no mar, os efluentes industriais seriam tratados nas próprias indústrias e serão dispostos em rede coletora do DISJB específica para este fim, sendo conduzidos ao mar pelo emissário submarino, juntamente com os esgotos sanitários tratados. Para tanto serão implantadas redes coletoras, destinadas às coletas, separadamente, dos efluentes industriais e dos esgotos sanitários. Veja abaixo a planta. A conferir!

Juiz dá liminar para busca e apreensão na PMCG sobre uso de combustíveis

O juiz da 4ª Vara Cível de Campos, Wladimir Hungria, concedeu liminar em Ação Civil Pública do Ministério Publico Estadual que autoriza a busca e apreensão no setor de transportes da Prefeitura de Campos para apurar uso de combustíveis. As primeiras informações são de que notas e talões de abastecimentos foram recolhidos. Há desconfianças que muitos outros carros eram abastecidos além das ambulâncias e carros da Prefeitura de Campos. As ambulâncias de Campos são hoje terceirizados como a maioria dos veículos usados pelas secretarias. Leia aqui nota do blog "Eu penso que" do jornalista Ricardo André.

Alguns registros sobre a GIT no Projeto do Açu na reunião do Comudes

Vale registrar o comentário cheio de cuidados, mas firme, da professora Inguelore Scheunemann, coordenadora da Gestão Integrada do Território (GIT) pelo IBio (Instituto Bio Atlântica) junto ao grupo EBX, na reunião da manhã desta segunda feira, do Comudes (Conselho Municipal de Desenvolvimento Sustentável de Campos) sobre a questão da educação:

É muito baixo o nível da educação básica na região. Até os cursos oferecidos pela empresa as pessoas não conseguem ter acesso. Assim, as pessoas vão ficar à margem dos melhores empregos e vão ter que atuar no suporte, apoio e serviços e para isto precisarão também ser treinados. Desta forma, pessoas de fora terão que ser chamados para atuar, porque muitos aqui não têm como atuar por conta dos problemas da educação básica. Porque não dará tempo de formar as pessoas. Esta região não vai ser palco apenas do que está proposto no distrito industrial. Ações precisam ser articuladas de forma supra-municipal.

Comentário do blog: A afirmação é verdadeira e é inaceitável que durante mais de uma década de royalties não tenhamos modificado sensivelmente este cenário que hoje limita as possibilidades, pelo menos no curto prazo, de nossa população. Porém, é evidente, que todo e qualquer empreendedor queira sempre um cenário ideal para rapidamente viabilizar e fazer render seus negócios e, para isto, terá que ir para além das ações de compensação previstas nos licenciamento ambientais baseados nos EIA/Rima. Neste caso, é preciso agora planejar um cenário novo, e nele o principal papel do setor público (município e estado) é uma boa formação básica no ensino fundamental e no médio. A formação técnica e profissional o pool de instituições existentes na região (IFF, Faetec, Senai, SENAC e outras particulares) dão conta perfeitamente desta tarefa, até porque já existe uma margem considerável de formados em condição de atuar nos empreendimentos.

Sobre um questionamento feito por um dos conselheiros a respeito de indicadores que a IBio e a EBX estaria trabalhando na implantação do complexo (o que é estranho de ser feito por quem está o gestão municipal) a resposta da professora Inguelore foi sucinta: “no mundo inteiro, mesmo o conhecido IDH, o indicador que é levado é conta, o mais importante é o do nível de escolaridade da população. Ele é indutor de outros como por exemplo de saúde, educação ambiental, etc.

Comentário do blog: a questão acima reforça a anterior. O desafio é de qualidade, embora haja novas demandas por escolas com o aumento já identificado de população. Melhor formação significa professores capacitados e remunerados, melhores instalações e laboratórios de línguas, ciências e bibliotecas físicas e virtuais.

Importante ainda citar, já que não foi feito pela Ascom da Prefeitura (e copiada por outras mídias) os comentários do professor José Luiz Vianna da Cruz, diretor do pólo da UFF em Campos e conselheiro do Comudes sobre suas preocupações após a exposição da professora Inguelore:

Que o papel de gerir o território é do estado, mesmo com a contribuição da empresa. E dentro deste contexto não deixar de pensar uma institucionalidade regional e não local para evitar os desastres, levando em conta a delimitação do território dos municípios da Área de Influência Direta (AID) do empreendimento como sendo SJB, Campos, Quissamã e São Francisco do Itabapoana. Que no planejamento da ocupação se evite a segregação dos técnicos da empresa em relação às nossas cidades, e que esta, certamente, não é uma boa opção e que o correto é se buscar integrar a cidade dos técnicos à cidade real de SJB e de Campos. Que a desconcentração é uma boa saída, mesmo que tenhamos aqui bairros como cidades dormitórios, até usando a periferia, para o qual se deveria pensar uma função nova para ela.

Comentário do blog:

Pela reunião observa-se, que há um consenso, tanto dos empreendedores, quanto dos gestores municipais, quanto das entidades da sociedade civil e instituições de ensino que atuam em pesquisas e no apoio/debate à questão de desenvolvimento e planejamento, de que este não pode ser no plano dos municípios isoladamente. Aqui entra o papel indispensável e até aqui limitado ou inexistente, do governo do estado como articulador destes planos intermunicpais consorciados e complementares. A grande dificuldade, sem sombras de dúvidas, é a disputa política esganiçada de grupos, que hoje atuam de forma regional para levar a luta pelo poder, mas não para articular ações e políticas governamentais. Atualmente, do jeito que está sendo levada esta luta pelo poder, em SJB e Campos, não há espaços para diálogos construtivos. Por último, para não estender mais do que seria desejável, não se pode deixar de registrar a necessidade de que os diagnósticos e os planejamento tenham a participação direta da população interessada e de seus organismos de associação comunitária, de produtores, etc. Sem estas o planejamento será tecnocrático e inócuo. Neste ponto, o embate pelo poder é outro fator limitante, mas, não há como fugir dele.

O secretário de governo, Geraldo Pudim, fez uma cobrança sobre o que é papel do empreendedor e o que é o papel da gestão pública e que uma não se misture uma com a outra. Após esta boa observação, causou estranheza a cobrança de que o município não possui nenhum documento sobre o empreendimento e suas diversas repercussões.

Os representantes da empresa garantiram ter os protocolos de entrega de todos os EIA/Rima (Estudos e Relatórios de Impacto Ambiental) de todos os empreendimentos.

Comentário final do blog:

Estranho não é exatamente, da cobrança, mas, dela ter isso feita só agora, já quase ao fim do terceiro ano de mandato, além do mais, muitas informações com detalhes sobre viabilidade técnica e econômica têm sido divulgadas na internet e em muitos blogs aqui, e não se imagina que uma gestão organizada e eficiente não tivesse providenciado isto anteriormente. Aliás, o chamamento da preocupação com a necessidade do planejamento regional, entre outros motivos pelo adensamento populacional e pelo porte da intervenção gerada pelo incremento da implantação do Complexo Logístico-industrial do Açu foi feito por aqueles que acompanharam e buscaram estes documentos e não pelos gestores locais, e muitos como se vê só agora perceberam, mais claramente, a complexidade dos desafios que estão colocados e que cabe de forma especial, pelo que define a nossa Constituição, exatamente aos municípios, o papel de regulação do que pode ou não, e de que forma, ser feito no espaço destes.

O blog ainda fará neste espaço outras observações, como já vem fazendo há longo tempo, sobre o planejamento, a metodologia e algumas questões mais preocupantes a respeito da implantação dos Complexos do Açu e de Barra do Furado para nossos municípios.

Como o interesse aqui é o debate e o aprofundamento das questões colocadas, o blog estimula e abre espaço para que os citados e outros interessados no tema participem e dêem também as suas opiniões.

segunda-feira, julho 25, 2011

Caquis

O Bric depois Brics é um acrônimo que se refere às iniciais dos nomes dos países fundadores de uma aliança política que envolve o Brasil, Rússia, Índia e China e depois a South África (África do Sul) desde o início deste novo século. A expressão Bric foi cunhada pelo economista inglês, Jim O´Neill, num estudo de 2001, como um símbolo da mudança no poder econômico global, distanciando-se das sete economias mais desenvolvidas do mundo reunidas no chamado G7.

De forma similar, o professor Hélio Gomes Filho, do IFF, em seus estudos sobre o desenvolvimento de nossa região, especialmente em comparações com outros grupos de municípios e regiões do interior do nosso país, criou também um acrônimo para denominar os municípios da chamada Área de Influência Direta (AID) dos investimentos do Complexo do Açu e do Complexo de Barra do Furado.

O acrônimo é o “Caquis” que envolve os municípios de Campos dos Goytacazes, Quissamã, São João da Barra e São Francisco do Itabapoana. Mais adiante o blog voltará ao assunto.

1º jogo do Goyta na 4ª feira no Arizão

A Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro marcou nesta tarde as finais da Terceirona entre o Goytacaz e o Juventus ambos já classificados para a 2ª Divisão em 2012: a 1ª partida será na quarta-feira (27/07) no Arizão, às 15 horas, e a 2ª partida, no sábado (corrigido e não domingo), também às 15 horas, no estádio do Leonidas da Silva, do Bonsucesso no Rio de Janeiro. Abaixo o resumo em vídeo com o gol e a disputa de penalty ontem em Três Rios: PS.: Atualizado e corrigido às 00:52.