domingo, junho 24, 2018

Dúvidas de investidores sobre quando haverá o pico da demanda mundial de petróleo pode estar aumentando os riscos de abastecimento e de explosão do preço do barril já na década de 20. O que o pré-sal tem a ver com isto?

Fundos de investimentos que bancam o setor econômico do petróleo no mundo avaliam, junto com as operadoras-petroleiras, os riscos e as preocupações com o futuro do setor. Em resumo é isto que nos traz a matéria do Financial Times reproduzida pelo Valor Online neste sábado (ver aqui) que tem o título: "Grandes petroleiras enfrentam questão de “vida ou morte”.

O pico da demanda de petróleo (e combustíveis) estaria próximo? Se estiver próximo, o melhor seria não investir mais em projetos de exploração caros e de longo prazo.

Porém, de outro lado, a demanda mundial nunca esteve tão grande, se aproximando rapidamente dos 100 milhões de barris por dia. Cresce na razão de 1,7 milhão de barris por dia desde 2014, que é o dobro do ritmo do início da década, quando o barril do petróleo estava a US$ 100.

Essa preocupação com a redução da demanda e com o pico do maior consumo mundial já levam a uma redução dos investimentos e no abandono de projetos complexos e de longa duração.

O resultado óbvios disso é o aumento exponencial dos riscos da escassez, que assim poderia ocorrer já nesta próxima década, com menos projetos de produção e redução das descobertas de campos petrolíferos de grande potencial assim como das reservas de petróleo mais viáveis.

Atualmente há queda mundial de mais de 40% nas perfurações convencionais em terra entre 2014 e 2016. Entre 2010 e 2015, os investimentos totais em bens de capital dos grandes grupos de petróleo e gás, na fase de expansão do ciclo do petróleo, chegaram a 875 bilhões. Abaixo infográfico publicado junto da matéria do FT.

























Já na segunda metade desta década, conforme se vê no infográfico acima, os investimentos caíram para quase a metade, US$ 443 bilhões, embora a redução de custos desta indústria, tenha levado ao aumento da produção das grandes petrolíferas, estimado em média, em 3,5% por ano entre 2017 e 2020.

A importância do Pré-sal
Em resumo, o cenário tratado pelo experiente especialista do setor Anjli Raval do Financial Times é de que os riscos de investir nas petroleiras pode levar a estoques de reservas que podem ficar sem uso e produção. Já os riscos em não se investir pode, levar à escassez o que levaria o preço do barril de petróleo - em novo ciclo petro-econômico - a um patamar que tumultuará a economia mundial e desarranjará o consumo (demanda) pelo alto preço do combustível.

A reportagem cita entre outros especialistas, Tony Hayward, ex-executivo-chefe da BP e hoje presidente do conselho de administração do grupo de mineração e comercialização de commodities Glencore que coloca em dúvida a estratégia das grandes petrolíferas e disse ao Financial Times que “observando a trajetória, mais provavelmente o que teremos no início dos anos 20 é uma escassez de oferta".

Observando este quadro, em resumo, eu fico cada vez mais convencido que, a despeito das dúvidas sobre investimentos de bilhões de dólares e sobre quando ocorrerá, de fato, o pico de demanda por petróleo - que será seguindo de aumento do consumo das energia não convencionais – é de como as reservas do pré-sal são estratégicas para todo o mundo.

Diante desta realidade exposta pela análise feita pela matéria do Financial Times (que aconselho que seja lida na íntegra) se vê que as reservas do pré-sal são ainda muito mais valiosas do que até aqui se poderia imaginar.

Tratam-se de áreas conhecidas, campos com potencial avaliados e projetos já desenhados e em andamento. Áreas com potencial e custos já identificados e possíveis de serem rapidamente explorados, ao contrário de outras áreas pelo mundo. Entregar toda essa joia da coroa a preço vil é muito mais que um equívoco: é um crime de lesa-pátria.

sábado, junho 23, 2018

"Sem poderes, qual democracia?" por Nilson Lage

O professor Nilson Lage em seu perfil do FB fez uma boa análise do Estado pós-democrático no capitalismo contemporâneo:

"O esvaziamento do Estado democrático é o que mais põe em risco, atualmente, a democracia. Não se trata mais de disputar o seu controle, mas de retirar-lhe poderes: inicialmente, o de julgar, transferido a corporação técnica que manipula o Direito para corrigir a lei; o mesmo com a economia, que passa a ocultar com discurso esotérico interesses de negócio. O projeto de globalização concebido há pouco menos de meio século prevê substituição similar das funções, antes atribuídas ao Estado, de regular atividades produtivas, gerir monopólios naturais (como a coleta e distribuição de de água ou energia elétrica) e serviços oferecidos aos cidadãos, da educação à prevenção de doenças e atendimento médico. Restarão a coleta de impostos."

Vale conferir na íntegra o texto que posto abaixo.


Sem poderes, qual democracia?
A ideia veio de sociedades tribais, mas prosperou em Atenas: o governo, não de um guerreiro ou clérigo, mas do conselho de cidadãos reunidos em assembleia. Deu-se bem na cidade portuária habitada por comerciantes e pescadores, cercada de outros pequenos estados gregos potencialmente agressivos. Permitiu-lhe prosperar – até que, em decorrência da prosperidade, diversificou-se a economia, amiudaram-se os conflitos de interesse e a população cresceu com a incorporação periódica de levas de imigrantes. 

Diante de milhares de pessoas reunidas na ágora, a praça parlamentária, oradores terciam argumentos. Como havia em jogo dinheiro e poder, demagogos – líderes do povo – inventaram o raciocínio falseado, os sofismas, e as alavancas de persuasão, as falácias. Mas não só por isso o apogeu da Atenas democrática aconteceria sob a ditadura de Péricles: também porque os generais não podiam debater de público as estratégias do exército, nem os magistrados, sem constrangimento, pendências delicadas, nem os financistas as malandragens do comércio. 

Daí a solução de se elegerem colegiados dirigentes. Dentre todos os estados da Antiguidade que pretenderam adotar este modelo, Roma foi o que mais o aperfeiçoou, desenvolvendo, paralelamente, até o requinte, a arte da demagogia: o apoio popular é o melhor suporte de qualquer governo, discricionário ou não.

O que se comprova da larga experiência acumulada desde então é que não existe nem “estado democrático” acabado nem “regime democrático” perfeito. Se o povo jamais governa diretamente, o poder deverá ser exercido “em nome do povo” e “em benefício do povo”. A representação popular e a orientação das políticas públicas são questões em aberto em sociedades de classes, nas quais, por definição, o conflito de interesses é permanente; deverão ser equacionadas a partir das circunstâncias, do espírito da época, e da representação que cada nação faz de sua história.

No pensamento político moderno, predomina visão individualista de democracia, decorrente da hegemonia burguesa e saxônica. A liberdade dos cidadãos, considerada bem supremo, é vista como permissão, não como possibilidade concreta: autoriza-se, o mais das vezes, o que, para a maioria, é inviável. O homem radicalmente livre é o mais inseguro e, portanto, o mais agressivo; a rebeldia é proposta como seu espaço: o Estado, ao estabelecer limites e conter privilégios, o inimigo visível.

O esvaziamento do Estado democrático é o que mais põe em risco, atualmente, a democracia. Não se trata mais de disputar o seu controle, mas de retirar-lhe poderes: inicialmente, o de julgar, transferido a corporação técnica que manipula o Direito para corrigir a lei; o mesmo com a economia, que passa a ocultar com discurso esotérico interesses de negócio. 

O projeto de globalização concebido há pouco menos de meio século prevê substituição similar das funções, antes atribuídas ao Estado, de regular atividades produtivas, gerir monopólios naturais (como a coleta e distribuição de de água ou energia elétrica) e serviços oferecidos aos cidadãos, da educação à prevenção de doenças e atendimento médico.

Restarão a coleta de impostos, a serem repartidos entre os novos senhores, e o poder de coerção, este regido basicamente por diretrizes supranacionais – oriundas de centros que, detendo sabedoria irrecorrível, restarão fora de qualquer controle que reflita a dialética social.

quarta-feira, junho 20, 2018

A eletrificação dos carros no capitalismo lubrificado pelo petróleo

Segundo a Agência Internacional de Energia (AIE), em 2017, as vendas globais de veículos elétricos aumentaram 54% e ultrapassaram 1 milhão pela primeira vez. Assim, o quantidade de carros elétricos no mundo chegaram a 3 milhões de veículos.

Parece muito, mas é apenas 0,3% do total estimado em 1 bilhão de automóveis hoje no mundo. Desta forma, a eletrificação do transporte individual avança, mas ainda em velocidade pequena para dar conta do total da frota e do consumo do petróleo que tende a se manter forte por um período de pelo menos meio século.

O material para as baterias mantém seu custo alto. Problemas com o descarte das baterias, pontos de eletrificação (carregamento) e a demanda da energia elétrica são problemas que terão que ser resolvidos aos poucos. Assim, ainda estamos longe da massificação dos chamados carros de passeio.

Além disso, o consumo de combustíveis com o transporte que está também vinculado ao transporte de massa de materiais e pessoas é uma outra dificuldade, onde a eletrificação está um pouco mais distante para atender grandes caminhões, enormes navios petroleiros, graneleiros e contêineiros e aviões para viagens intercontinentais.

Porém, o avanço da produção, com o uso de carros elétricos e a produção de energia solar e eólica tenderão a atender parte do crescimento da demanda que ainda se tem dos combustíveis fósseis. Desta forma, ainda estão longes de substituir o atual consumo diário de quase 100 milhões de barris por dia.

Este fato ajuda a explicar a influência ainda grande da geopolítica do petróleo no mundo. Como lembra o professor alemão, Altvater, até lá o capitalismo, infelizmente, tende a continuar sendo lubrificado pelo petróleo.

No meio de tudo isso, as reservas estão ficando mais escassas e esta cada vez mais caro explorar e extrair petróleo. Os EUA e a China sabem disso. Diante desta realidade o nosso pré-sal como maior fronteira petrolífera descoberta na última década no mundo é uma das maiores fontes de cobiça em termos de geopolítica da energia.

segunda-feira, junho 18, 2018

Mais sobre a desnacionalização da petroquímica no Brasil com a venda da Braskem

Na última sexta-feira (15 jun. 2018), eu comentei aqui neste espaço sobre o assunto com a nota de título "Segue o desmonte de toda a cadeia produtiva do petróleo no Brasil. Agora é a petroquímica". Porém, é um tema que merece ser mais detalhado e aprofundado.

A corporação holandesa LyondellBasell, petroquímica que está em acordo para incorporar a Braskem (Odebrecht e Petrobras) é controlada por acionistas tendo entre estes os fundos financeiros (Acess Industries com 18,2% das ações; Fidelity com 8,7%; Vanguard (6,3%) e o fundo americano BlackRock com 5,2%).

Como se percebe o movimento que se assiste no controle das corporações mundo afora são dos fundos financeiros, interpretação que venho construindo com estes dados empíricos como argumentos que explicam o fenômeno.

A incorporação da Braskem reforça este movimento sobre "o Brasil baratinho" nesta fase de baixa do seu ciclo econômico. Ver aqui outra postagem do dia 15 de junho de 2017: A sede dos fundos sobre um Brasil baratinho!

A Braskem vale hoje em trono de R$ 50 bi e seus papéis tiveram valorização só na sexta-feira de cerca de 20%. Já a holandesa LyondellBBasell é avaliada na bolsa de Nova York no valor de US$ 45,7 bilhões, quase quatro vezes maior que a Braskem a quem está incorporando.

Infográfico do Valor Online.
O resultado da incorporação é a constituição de enorme oligopólio com uma líder global de resinas termoplásticas do mundo. Como a Braskem e Lyondell possuem ativos complementares, o porte do oligopólio que ultrapassará a chinesa Sinopec e a americana ExxonMobil se tornará uma concentração absurda, que terá poder enorme sobre o mercado em que atuam. Para ampliar este espectro, diz-se que a Lyondell se interessou pela Braskem pela capacidade na produção de aromáticos e solventes que são importantes na produção de tintas e colas.

Além disso, a Lyondell poderá comprar sua matéria prima (petróleo ou seus subprodutos eteno e propeno) para produzir o polietileno (PE) e prolipropileno (PP) - ambos derivados do eteno - de outros fornecedores que não a Petrobras, como por exemplo da anglo-holandesa Shell que hoje já é o segundo maior produtor de petróleo do país, se aproximando de meio bilhão de barris por dia. 

Diante deste quadro não é difícil imaginar que a Shell e/ou petroleiras europeias (incluindo a francesa Total) sejam as maiores interessadas em ficar com parte do parque de refino brasileiro colocado à venda, especialmente a Landulfo Alves na Bahia, onde está a maior base da Braskem.

Em todo este processo, outra questão ficou mais clara, a Odebrecht seguirá se desafazendo de seus ativos pretendendo se manter apenas como gestora de participações de diversos ativos espalhados no mundo. 

Inclusive do oligopólio que surgirá desta incorporação em que a Odebrecht poderá ficar com 10% em participação. Esta decisão que agora ganha caráter não mais de intenções e sim de execução terá influência sobre muitas outros negócios e empregos no Brasil.

"O pré-sal brasileiro está entre os recursos petrolíferos mais atraentes do mundo, com potencial de crescimento contínuo no médio e longo prazo"

Para quem, como colonizado, carece sempre da confirmação de um alto executivo estrangeiro do
setor, que seja representante de um dos países centrais, para avalizar o que já se diz há tempo aqui nos tópicos, veja o que disse hoje, o diretor-executivo da Agência Internacional de Energia (AIE), Fatih Birol, em entrevista ao bom e atento correspondente do Valor junto à ONU e relações comerciais no mundo, Assis Moreira:

“O pré-sal brasileiro está entre os recursos petrolíferos mais atraentes do mundo, apontando para um potencial de crescimento contínuo no médio e longo prazo.”

A matéria e entrevista com o diretor-executivo da AIE pode ser lida na íntegra aqui:

Após licitação da Petrobras, o Porto do Açu participará como base de apoio portuário para exploração do campo de Libra

O Porto do Açu participará como base de apoio portuário para exploração do campo de Libra, o maior do país e do pré-sal, através da empresa americana Edison Chouest, após licitação da Petrobras fechada na semana passada.

Tratou- se uma complexa licitação da Petrobras para contratação integrada de apoio logístico (serviços terrestres, portuários, marítimos e aéreos) para exploração do campo de Libra na Bacia de Santos.

No dia 9 de fevereiro de 2018, este blog comentou obre esta licitação em nota aqui neste espaço com o título “Disputa para contratação de logística integrada de apoio para exploração do campo de Libra envolve bases portuárias no Rio, Niterói e Açu” que pode ser lida aqui. [1]

A informação sobre os resultados da licitação aberta no dia 11 de junho foram divulgados na última sexta-feira (15 jun. 2018) pelo site Brasil Energia com o título: "PB-Log oferta menor preço por apoio integrado à Libra" [2]

A participação do Porto do Açu se dará junto da subsidiária da Petrobras PB-Log e através da empresa americana Edson Chouest que é arrendatária de píer do terminal 2 (T2) no Açu e que já atende às demandas de apoio portuário, através de contrato com a própria Petrobras para atender movimentações de cargas junto à Bacia de Campos e Espírito Santo.

Logística integrada para exploração offshore. Tese do Autor [3], Figura, nº 34. P.344
em que cita apresentação da Brasco Offshore, ago. 2014. 























Na licitação para contratação integrada (tipo 3), a PB-Log ofertou R$ 802 milhões pela prestação de serviços terrestres, portuários, marítimos e aéreos e ficou na frente do consórcio formado pelo porto Sepetiba Tecon e a operadora de helicópteros CHC, foi o único concorrente da PB-Log nesse modelo, propondo cerca de R$ 1 bilhão. 

O estranho é que a licitação é da Petrobras e uma empresa sua subsidiária, a PB-Log é que articulou o consórcio vencedor que envolve a Edison Chouest no atendimento do apoio portuário, mas também envolve o terminal portuário da Petrobras de Imbetiba e ainda o terminal Triunfo de poio offshore, contratado pela Petrobras e que funciona atualmente junto ao Porto do Rio, bem próximo à Rodoviária na capital.
Mapa resumido sobre localização campo de Libra

O blog ainda não tem a informação sobre o prestador de serviços por transporte marítimo, aéreo e terrestre neste consórcio vencedor. Pelo que se depreende até aqui, com este resultado, a Petrobras como operadora do campo de Libra que tem a concessão de outras petrolíferas em diferentes percentuais de participação, poderá escolher as bases para a sua movimentação de carga.

Desta forma, o Porto do Açu não tem garantias de servir de base, mas passou a ser uma opção. Os terminais portuários da PB-Log disponíveis seria da Triunfo no Rio de Janeiro; Macaé (Imbetiba) e São João da Barra (Brasil Port, do grupo Edison Chouest). Já os aeroportos estão são o de Jacarepaguá, no Rio; Macaé, Campos e Farol de São Tomé.

A contratação integrada facilita a situação da Petrobras, mas deixa em suas mãos a decisão sobre fluxos de cargas, porque o material entre as empresas e as plataformas precisam de transporte terrestre, área de estocagem no retroárea do porto, transporte marítimo e aéreo que envolve o transporte de pessoas. Tudo isso confere à esta gestão, após a licitação muito poder e que envolve muito dinheiro.

Houve ainda licitação integrada para serviços marítimo e terrestre vencida pelo grupo Wilson Sons, com proposta de R$ 505 milhões e também só para a prestação de serviços de apoio aéreo vencida pela Líder Aviação ao ofertar o menor preço para serviços de apoio aéreo com helicópteros de médio e grande porte.

Muito sobre este processo precisa ainda ser informado. O blog seguirá acompanhando com a sua imensa rede de contatos, network.


Referências:
[1] Postagem do blog em 9 de fevereiro de 2018. Disputa para contratação de logística integrada de apoio para exploração do campo de Libra envolve bases portuárias no Rio, Niterói e Açu. Disponível em:

[2] Matéria do site da revista Brasil Energia. PB-Log oferta menor preço por apoio integrado à Libra. Disponível em: 

[3] Tese do autor defendida em mar. 2017, no PPFH-UERJ: “A relação transescalar e multidimensional “Petróleo-porto” como produtora de novas territorialidades”. Disponível na Rede de Pesquisa em Políticas Públicas (RPP)-UFRJ: http://www.rpp.ufrj.br/library/view/a-relacao-transescalar-e-multidimensional-petroleo-porto-como-produtora-de-novas-territorialidades

sábado, junho 16, 2018

Segue o desmonte de toda a cadeia produtiva do petróleo no Brasil. Agora é a petroquímica

Com a venda da Braskem (Petrobras e Odebrecht), o Brasil deixará de ter assim controle sobre uma das cinco maiores petroquímicas do mundo.

Assim, o país se tornará refém de corporações estrangeiras na produção de químicos básicos que incluem etileno, polietileno prolipropileno, óxido de propileno, óxido de etileno, etc. 

Estes produtos são bases para uma série de outras indústrias de plásticos, PVC, embalagens, etc. 

A corporação holandesa LyondellBasell do setor de petroquímicos que está negociando o acordo para a aquisição da Braskem, que a tornaria a maior do mundo, é sucessora da antiga e conhecida Atlantic Richfield Company (ARCO) e da alemã Hoechst. Ver ao lado infográfico do Valor Online sobre as produções das maiores petroquímicas no mundo.

A LyondellBasell atua com 13 mil funcionários possui 3 plantas na área industrial do Porto de Roterdã, na Holanda, outra na Wesseling, na Alemanha e outras 3 plantas no Texas, EUA. 

A Braskem no Brasil com a maior planta na Bahia tem cerca de 8 mil funcionários.

As plantas industriais do setor petroquímico são muito automatizadas e por isso possuem uma quantidade relativamente baixa de funcionários, apesar da alta produção.

Abaixo uma das plantas petroquímicas da LyondellBasell, junto ao Porto de Roterdã, na Holanda que tive a oportunidade de ver a instalação por fora, ao visitar no segundo semestre de 2014.

Fonte: LyondellBasell.com



sexta-feira, junho 15, 2018

A sede dos fundos sobre um Brasil baratinho!

Com o dólar no novo normal de R$ 4, podendo seguir além, o Brasil fica ainda mais baratinho.

Nossas empresas (chamadas de ativos pelo mercado) estão quase de graça.

Os fundos financeiros avançam seus apetites sobre negócios não apenas de infraestrutura, energia (petróleo) e do setor imobiliário. 

As áreas de logística, agronegócio, saúde e até comércio (shoppings e varejo) estão sendo cada vez mais controladas pelos fundos financeiros.

Estes nomeiam seus executivos para dirigirem as empresas.

Buscando metas e um destaque em seus portfólios de carreira, assim avançam em buscas de resultados.

Desta forma, aplicam a tal reengenharia, estendem as terceirizações, precarização do trabalho e as baixíssimas relações com as populações a quem servem ou se servem.

Os fundos financeiros como eu tenho dito, não têm rosto e ninguém sabe quem aplica neles.
Eles só divulgam em que áreas aplicam os dinheiros captados.

No Brasil, ao contrário do que dizem, os fundos seguem com enorme apetite enorme aproveitando o "Brasil baratinho" desta fase de colapso do ciclo econômico.

Juntam o rentismo de dentro ao da economia global em articulações pouco compreendidas pelas fiscalizações.

Tudo sem dinheiro, só troca de informações.

Os bancos centrais das nações perdem poder com o avanço dos fundos.
 
É uma lógica que explica muito do que nos cerca, sem que o processo e os movimentos sejam percebidos.

Assim, os ativos financeiros avançam e cooptam a maior parte do lucro do setor produtivo tornando o rentismo uma prática que esgarça o sistema.

Como eu tenho dito, em dois anos, o Brasil se tornou um dos maiores "cases" em termos de volume e velocidade em que se deu a implantação desta racionalidade que avança sobre a produção no Brasil dominado pelo mercado.

Em tempos de derivativos, especulação e avanço do capitalismo ultra-financeirizado, as contradições e os impasses se ampliam.

Isto tudo tem limites, mesmo no capitalismo desregulado.

quinta-feira, junho 14, 2018

Ilhabela e outras novas cidades petrorrentistas em SP e no ERJ: o que há de novo e o que se repete?

Desde o final da década de 90, aqui no ERJ com o vertiginoso crescimento das receitas dos royalties do petróleo, decorrente do aumento da produção e mudança legas, vários estudiosos passaram a propor que os municípios petrorrentistas criassem fundos com os recursos dos royalties e participações especiais.

O objetivo em geral é para que pudessem compensar os imprevistos equilibrando os valores quando da redução da produção por acidentes, ou pela redução do preço do barril de petróleo.

A ideia era também criar setores e cadeias produtivas que pudessem ser incentivadas para romper a petrodependência, considerando ainda se tratar de um bem intergeracional.

Os gestores sempre foram contra a inciativa por considerarem que eles não deveriam deixar para outros mandatos, os recursos que poderiam ser usados em suas gestões. Uma ou outra experiência foi tentada nesta linha com péssimos resultados.

O Fundecam, em Campos dos Goytacazes, que saiu a partir de pressão da sociedade e um fórum de desenvolvimento regional é um deles e já mereceu diversos estudos e análises críticas mais ou menos detalhadas nas universidades. 

Infelizmente, os resultados foram desastrosos em termos de abertura de alternativas econômicas contra a dependência do petrorrentismo. Projetos tiveram curto espaço de sobrevivência, eram pontuais sem serem de cadeias os setores produtivos, os empregos foram perdidos e outros projetos eram formas apenas de acessar fundos públicos para fins privados. O resultado é um passivo de algumas centenas de milhões de reais que poderiam ter amortizado as consequências no período da redução dos royalties.


A mudança espacial das receitas dos royalties nos municípios litorâneos: do ERJ para SP
Pois bem, duas décadas depois, os municípios do litoral fluminense do Norte e Baixadas Litorâneas começam a ver estas receitas se reduzirem porque os campos de petróleo offshore se tornaram maduros, enquanto outros municípios metropolitanos no ERJ e no litoral paulista começam a ver o aumento da receitas com a produção colossal nos campos da Bacia de Santos.

No ERJ, os exemplos mais conhecidos é o de Maricá e Niterói. No estado de São Paulo o caso de São Sebastião, Caraguatatuba e Ilhabela têm receitas de royalties crescentes. 

No ano passado (2017), o município paulista de São Sebastião com 74 mil habitantes recebeu R$ 86,9 milhões. Caraguatatuba com 101 mil habitantes recebeu royalties de 81,9 milhões. [1]

Porém, outro município paulista de Ilhabela com 28 mil habitantes,, em 2018 teve a maior petrorrenda com receita de R$ 474,8 milhões em 2018. Valor que foi quase o dobro de dois anos antes, em 2015, quando a receita dos royalties na cidade tinha sido de R$ 239,7 milhões. [1]

Os royalties recebidos por São Sebastião em 2017 de R$ 474 milhões em 2017 foi superior ao de Campos dos Goytacazes, que neste mesmo ano recebeu R$ 470 milhões, depois de ter recebido R$ 1,3 bilhão em 2012. Enquanto São João da Barra, no ERJ recebeu em 2017 R$ 115 milhões, depois de ter recebido R$ 237 milhões, no pico desta receita, em 2014. [1]

A produção crescente nos campos de petróleo da Bacia de Santos e das reservas do Pré-sal no litoral paulista explicam esta evolução da receita dos royalties mesmo com o petróleo estando distante do preço superior aos R$ 100, o barril, em todo o período entre 2101 e 2014.

Em 2018, Ilhabela tem um orçamento aprovado de R$ 650 milhões com previsão de que mais de R$ 500 milhões tenham origens nas petrorrendas. Com 347 km² (área menor que SJB que tem 458 km²) Ilhabela tem problemas e questionamentos similares àqueles feitos aos nossos municípios petrorrentistas no ERJ: shows, patrocínios e obras questionáveis em termos de prioridades e caras em termos de preços, além do enorme crescimento das despesas de pessoal e custeio, de forma especial nos últimos três anos. [2]

Um dado interessante é que os setores de Educação (R$ 141 milhões) e Saúde ,(R$ 94 milhões) em São Sebastião são as funções com maior dotação dentro do orçamento do ano em curso no município paulista de Ilhabela. Veja aqui a LOA 2018 do município de São Sebastião, SP. [3]


O que é viver na Economia dos Royalties
Porém, muitas outras questões merecem ser analisadas quando se observam problemas similares nos municípios que passam à condição de petrorrentistas e desta forma vivem a Economia dos Royalties, como base fundamental de sua receita.

Uma outra informação que merece ser melhor apurada - e que tem relação com o início desta postagem - é a de que o município de Ilhabela, sendo um município com características turísticas, resolveu constituir um fundo para desenvolvimento do turismo que se inicia com um percentual de 1% dos royalties e que teria uma previsão para chegar ao longo de um tempo a 25%.

Novamente se vê que a receita para o fundo se ampliará em mandatos futuros, comprometendo assim menor parte da receita atual. Nenhum prefeito quer ajudar a organizar o futuro abrindo mão de parte considerável da receita. 

Ainda assim, a prefeitura de Ilhabela tem divulgado que nos próximos quatro anos deverá investir R$ 328 milhões em projetos de ampliação da infraestrutura turística. Há neste item projetos caros como a construção de parques aquáticos e marinas que visam angariar receitas com turismo de cruzeiros que hoje é muito disputado.

Porém, há que se saber como a população local está sendo atendida e preparada para atuar neste setor, de forma a que este investimentos com fundos públicos não sirvam apenas, ou basicamente para engordar lucros de uma elite local ou regional.

Há algum tempo, este tema, vinculado basicamente às investigações sobre o uso dos fundos públicos (orçamentos) dos municípios petrorrentistas, deixou de ser foco das minhas pesquisas mais detalhadas, mas nunca deixou de sair completamente do meu radar de observação.

Desta forma, esta postagem tem também o objetivo de chamar a atenção de professores e pesquisadores que atuam no tema para aprofundar a análise sobre os caminhos trilhados pelas novas cidades petrorrentistas no ERJ (Maricá, Niterói) e SP (Ilhabela, São Sebastião e outras).


Referências:
[1] Informações sobre a receita dos royalties (quota mensal) e participações especiais (quotas trimestrais) disponível no portal InfoRoyalties da Ucam-Campos. Disponível em: https://inforoyalties.ucam-campos.br

[2] Matéria da Folha de São Paulo em 24 set. 2017. PAMPLONA, Nicola. Ilhabela vive benefícios e risco dos royalties. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/09/1921224-ilhabela-vive-beneficio-e-risco-dos-royalties.shtml

[3] Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2018 do município paulista de São Sebastião. Site da Prefeitura. Disponível em: http://transparenciaonline.ilhabela.sp.gov.br/wp-content/uploads/sites/2/arquivos/2018/01/Lei-1.250_2017-LOA-Lei-Or%C3%A7ament%C3%A1ria-Anual-para-2018-1.pdf

terça-feira, junho 12, 2018

Os movimentos do dia no confuso xadrez eleitoral do Brasil

Os governistas começam publicamente a descartar Meirelles.

No palácio, o clima não é nem de final de festa, porque não houve, mas de certo desespero, diante dos riscos de novas denúncias no STF contra Temer. Tanto que voltou a conversar com Gilmar Mendes para sentir a ameaça destes riscos.

Não duvidem se Temer chutar o barraco todo, na medida que não quer terminar o golpe abraçado ao Cunha, hipótese que fica cada vez mais próxima. 

A raiva de Temer contra os tucanos não tem como ser medida e pode abandonar a razão.

O mercado cada vez tira mais dólares do Brasil são dezenas de bilhões sugados de nossas reservas.

A Marina descartou aceno de FHC e a aproximação com o PSDB.

O DEM diz que pode ir com qualquer um que tenha chances.

O cerco sobre as “não ideias” do candidato a delegado do Brasil, Bolsonaro, se intensifica e vem dos jornalistas ligados aos tucanos, apavorados com seus espaços ocupados.

Estes tentam desesperadamente sustentar Alckmin, como alternativa, após a nova e desanimadora pesquisa do Datafolha.

O ex-governador tenta se equilibrar batendo na mesa, reagindo à trairagem do decadente Doria e do FHC.

Na falta de outro vai se mantendo, sem conseguir animar a campanha, atuando quase sozinho.

Ciro também busca apoios mais ao centro e menos à centro-esquerda e ao PT.

Assim, Ciro amplia espaços sem deixar de preocupar o mercado com o qual busca ampliar diálogo, para tirar vetos, mas sem aproximações públicas.

Um acordo de Ciro com o PT caminha para um entendimento no segundo turno, onde é cada vez mais difícil não enxergar a presença de um candidato da esquerda ou centro-esquerda, única hipótese que poderia levar a um acordo antes do 1º turno.

O PCdoB segue apostando numa união das esquerdas.

O PSB tende para o PT, mas quer mais definições e aumenta a fatura de apoio cobrado nos Estados, para além de Pernambuco. O PSB quer ampliar bancada no Congresso e tentar fazer mais governadores, substituindo em parte o papel do MDB.

Lula segue preso, mas a cada dia que passa está mais forte como líder e não apenas como eleitor.
O PT encontrou uma estratégia que parece dar uma “pausa” no jogo, prendendo outros lances.

O caso merece uma metáfora que parece apropriada. O PT com a indefinição de Lula e esperando o último momento, parece o garoto dono da bola, que só deixa o jogo começar quando lhe escalarem.

Nos próximos 20 dias, o quadro seguirá indefinido, mas como menos jogadores no páreo.

Seguimos conferindo.

Enel lucra R$ 13,1 bilhões e tem um dos piores atendimentos no Brasil

A Enel, a sua concessionária de energia elétrica, lucrou no ano passado (2017) no Brasil, a bagatela de quase EU$ 3 bilhões, ou R$ 13,1 bilhões a partir de um faturamento de R$ 57,5 bilhões. [1]

A corporação italiana que comprou a Ampla, continuou em 2017, na lista das piores distribuidoras de energia elétrica do país. Em 2017, era a 31ª, numa lista de 33 (do IDGC), onde a última é também uma concessionária sua: a Enel GO, no estado de Goiás. [1]

Se não bastasse isso, a Enel que acabou de comprar a maior parte do controle acionário da concessionária Eletropaulo - se transformando na maior distribuidora de energia elétrica do Brasil com 17 milhões de consumidores - pratica no ERJ, a terceira maior tarifa do Brasil, onde cobra 0,623 reais (R$) por KWh. Sim, a 3ª maior tarifa de energia elétrica do país!

Infográfico Valor, 12 jun. 2018, P.B2 [1] 
A Enel, esta corporação que mudou de nome várias vezes desde que deixou de ser controlada pelo ERJ é uma das que mais recebe reclamações no Procon e na Aneel.


A empresa não é mais controlada pelo governo estadual, foi privatizada em 1996, durante os governos tucanos Marcelo Alencar no ERJ e FHC no país.

A Cerj na ocasião foi comprada por uma empresa chilena, a Chilektra. Depois passou o controle para um grupo espanhol em 2014 passou a ser comandada da Itália. Neste percurso, a empresa passou a ter muito menos funcionários, a grande maioria terceirizada e com salários muito menores. A tarifa é absurdamente mais cara, mas é uma empresa italiana que tem 23 de suas ações nas mãos do governo italiano.

Em várias partes do mundo as concessionárias de energia elétrica e saneamento (água,  esgoto e lixo) estão sendo reestatizadas depois da onda privatista neoliberal puxada pela Margareth Tatcher na Europa.

Nestes dois casos se tratam de um fornecimento de serviço de monopólio. Não passa na frente de sua casa, duas empresas para fornecer energia elétrica e/ou água para disputar cliente na própria lógica de mercado.

Assim, com tarifas absurdas calculadas com critérios definidas em pressões exercidas a partir da ação de caros escritórios de advocacia que pressiona e compra as decisões do poder político, o resultado é este que se vê.

Com tarifas nestes preços, qualidade de atendimento deficitário, os resultados no poder público, mesmo com vários problemas, seriam mito melhores.

Querem um exemplo? Veja a Cedae no Rio de Janeiro. Observe a tarifa de forma comparada a outras concessionária, inclusive à Águas do Paraíba e a qualidade da água. Quase toda a expansão de redes e investimentos em melhorias forma feitas com recursos do BNDES e juros bem abaixo do mercado. Por que não se fazer o mesmo com as empresas estatais?

A construção de uma lógica de mercado embotou a compreensão da maioria das pessoas. A BBC já fez várias matérias sobre reestatizações destes serviços que são públicos (água, esgoto, lixo e energia elétrica) uma delas foi replicada aqui pelo blog em 24 jun 2017. Segundo um "mapa das remunicipalizações do Observatório Corporativo Europeu eram 835 casos de reestatizações destes serviços, só no caso de água e lixo na Europa.


É importante que você que é cliente da Enel sem ter outra alternativa de fornecimento de energia elétrica saiba disto. Pense na ideia do que te venderam quando privatizaram todos estes serviços. Conheça os bilionários lucros da empresa e de onde estão os seus donos que continuam colocando seus dinheiros, ao comprar mais empresas com os lucros obtidos a partir de tarifas absurdas e serviços de péssima qualidade que identificamos em nosso dia-a-dia.


Referências:
[1] Matéria do Valor em 12 jun 2018. Distribuição da Enel no Brasil tem altos e baixos. Disponível em: http://www.valor.com.br/empresas/5587673/distribuicao-da-enel-no-brasil-tem-altos-e-baixos

[2] Matéria do blog do autor, em 24 jun. 2017, replicando matéria da BBC Brasil. Centenas de cidades pelo mundo (Berlim, Paris e outras) estão reestatizando os serviços de água, esgoto e lixo. Disponível em: http://www.robertomoraes.com.br/2017/06/centenas-de-cidades-pelo-mundo-berlim.html

segunda-feira, junho 11, 2018

Workshop ‘Petróleo, Soberania e as Implicações para o ERJ’ próxima 4ª feira (13/06), na Uenf

Como parte das comemorações pelos seus 25 anos, a UENF está vem realizando uma série de eventos. O próximo acontecerá nesta quarta-feira (13/06) às 18 horas no Centro de Convenções com o tema ‘Petróleo, Soberania e as Implicações para o Rio de Janeiro’.

O workshop terá como debatedores está o ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli (2005-2012), hoje diretor do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Zé Eduardo Dutra (Ineep); José Maria Rangel, coordenador da Federação Única dos Petroleiros (FUP); o professor Carlos Alberto Dias do Lenep/Uenf e o representante da prefeitura de Campos, Felipe Quintanilha, secretário de Desenvolvimento Econômico de Campos. Há que se lamentar a ausência no debate do prefeito de Campos, Rafael Diniz, que é o atual presidente da Ompetro, cuja participação chegou a ser divulgada junto do primeiro convite sobre o evento na Uenf. O reitor da UENF, Luis Passoni será mediador das exposições e debates.

Um tema interessante para uma região que vive a economia rentista dos royalties e a economia do petróleo. Compreender o tema em suas várias escalas e dimensões, buscando confluências em termos de gestões públicas e sociedade, é um desafio que se posta há pelo menos três décadas não apenas para o município de Campos dos Goytacazes, mas para toda a região.

domingo, junho 10, 2018

Nova pesquisa do Datafolha: Lula segue na mesma posição e ganha de todos no 2º turno

Datafolha em pesquisa que acabou de ser divulgada, Lula segue na frente com 30% e ganha de todos os demais candidatos no 2º turno.

A rejeição de Lula caiu para 36%. 

Em segundo lugar está “sem candidato” com 21% o que sugere que muitos que poderiam escolher Lula, não o fazem pelo questionamento de sua candidatura. 

Em 3º lugar segue Bolsonaro com 17%. 

Marina vem em quarto com 10%. 

Em quinto empatados Ciro e Alckmin com 6%. 

Depois Álvaro Dias com 4%. 

Nos cenários pesquisados sem Lula como candidato o percentual varia de 33% a 44% os que não sabem em quem votar, ou optam por nulo e branco, quando se analisa também opções em 2º turno. 

Luga ganha de todos em simulações de 2º turno: Lula 49% x 27% Alckmin; Lula 46% x 31% Marina e Lula 49% x 32% Bolsonaro.

Os resultados são quase iguais à pesquisa Datafolha do mês anterior, no início de maio, a principal diferença é que não tem o nome de Joaquim Barbosa.


A notícia é muito ruim para Alckmin, tucanos, emedebistas e demais aliados do governo Temer, na medida em que a rejeição a Temer continua crescendo (+12%) e se aproximando do máximo de rejeição, maior do que qualquer outro presidente em qualquer período.

Desta vez, a Folha de São Paulo, foi obrigada a concluir em manchete, que sem a definição de Lula e seus apoiadores a eleição segue indefinida".

Aliás, este é um fato novo que os apoiadores do golpe parece que não esperavam.

Esta nova pesquisa ouviu 2.824 eleitores em 174 municípios do Brasil, entre os dias 6 e 7 de junho (quarta e quinta-feira). Outros itens pesquisados nesta amostra, o blog comentará depois. Pesquisa de abril de 2018 do Datafolha foi comentada aqui pelo blog, onde você poderá fazer comparações.


PS.: Atualizado às 01:40 e 01:48: Interessante o diretor-presidente do Datafolha, Mauro Paulino, em artigo na própria Folha de São Paulo, analisando a pesquisa denomina o resultado de "letargia eleitoral" e numa ginástica, a seguir, diz que se trata de um "torpor lúcido", sic, sic. Confira abaixo recorte da matéria da Folha de São Paulo. Os grifos são do blog:


sábado, junho 09, 2018

A conjuntura que se constrói no caminho

O governo pós-golpe do Temer está gastando milhões de dólares de nossas reservas, para tentar segurar o real, diante da moeda americana.

A Bolsa de Valores registra a saída de investidores que deram o golpe com os banqueiros nacionais.

Agora estes assistem à fratura do bloco golpista-governista.

O mercado sabe que não tem como suspender e nem ganhar as eleições.

Ao contrário do que o mercado diz, os resultados das eleições já não são tão incertas assim.

Suspendê-las não tem amparo externo e internamente pode levar ao enfrentamento aberto, diante dos brasileiros que sempre preferiram, as soluções institucionalizadas e enxergam as eleições como saída para o caos atual. 

Parte do setor produtivo nacional já começou a pular fora do projeto golpista que não lhes contempla.
Abriu-se uma fissura no governo mercadista.

Hoje, alguns golpistas começam a se arrepender da radicalização com que retomaram o neoliberalismo, com a pinguela que em dois anos fez o país retroceder duas décadas.

O jogo está sendo jogado.

De um lado o Temerário, emedebistas e tucanos e de outro, quem quer um novo projeto de nação.

As formas, circunstâncias e detalhes serão decididas no caminho, porque é no andar que se faz o caminho, como já nos ensinava o poeta sevilhano (e espanhol) Antonio Machado.

O caminho faz-se caminhando. 

Sigamos em frente!

sexta-feira, junho 08, 2018

EUA de Trump tem no petróleo um de seus principais projetos: que relação isto tem com o avanço da Esso e Chevron no último leilão da ANP?

O blog tratou deste assunto numa breve postagem aqui, [1] no último dia 30 de maio de 2018, quando chamou a atenção para o fato dos EUA, sob o controle de Trump, estarem ampliando as suas ações no setor de petróleo. Fato pode começar a ser identificado pela projeção da AIE de que até o final deste ano (início de 2019), os EUA deverão ultrapassar a Rússia, na condição de maior produtor mundial.

Na ocasião, também chamei a atenção para a relação deste fato, com as razões para os EUA, após o golpe no Brasil em maio de 2016, ter voltado a ter forte presença na exploração do setor petróleo no Brasil e chegado finalmente à cobiçada área do pré-sal.

Os resultados de mais um rodada de leilões da ANP ontem, dão mais mostras sobre este avanço da participação americana na exploração do Brasil e agora nas reservas do pré-sal, a maior fronteira petrolífera descoberta na última década no mundo, através da Esso e da Chevron.

A Esso já tinha avançado enormemente nesta participação no leilão anterior da ANP, em setembro do ano passado, em dobradinha com a Petrobras sob a liderança e boa vontade de Parente.

A presidente da Exxon Mobil Brasil, Carla Peixoto disse após o leilão da ANP: “estamos muito felizes com o resultado, com a Parceria com a Petrobrás. Em poucos meses a Exxon Mobil passou de dois blocos para 25 blocos. Também fortalecidos com esta parceria de longo prazo com a Petrobrás.” [2]

Sobre a rodada de ontem, vale ler aqui, o artigo dos economistas dos Dieese, Cloviomar Cararine e Iderley Colombin, publicado no site da Carta Capital com o título "O pré-sal a preço de banana". [3]

Em especial, o blog chama a atenção para o trecho em que os autores do artigo, falam da forma da participação das players petrolíferas dos EUA e da lógica de dominação norte-americana no setor petróleo: "essa atitude demonstra a intenção das empresas, principalmente norte-americanas, em controlar os campos do petróleo do pré-sal, mesmo que à custa de 75% dos lucros".

Porém, o blog quer dar destaque para o fato de como os EUA foram ampliando a sua atuação no setor petróleo, pós-Trump, como forma estratégica de buscar manter hegemonia geopolítica (na disputa com a China), onde o controle (ou o acesso à concessão) de reservas pelo mundo é elemento fundamental. 

Há que se realçar e registrar novamente a disputa geopolítica e direta dos EUA com a China, [4] que hoje é o maior importador mundial de petróleo. Repetindo, até o ano que vem, os EUA será o maior produtor mundial de petróleo, sendo também o maior consumidor desta mercadoria especial.

Além disso, os EUA é também maior refinador de petróleo do mundo e, ano passado, exportou mais de 90% dos cerca de 1 milhão de barris por dia de combustíveis que o Brasil importou, mesmo com as refinarias da Petrobras com 30% de ociosidade. 

Some-se aos fatos acima, o registro de que os EUA é também sede das maiores e mais fortes empresas de tecnologia e serviços que que atuam no setor petróleo, chamadas de para-petroleiras. 

As tecnologias exigidas atualmente para a exploração são cada vez mais caras por exigirem sofisticações maiores para dar conta da exploração de reservas em áreas mais complexas em vários lugares do mundo. Hoje, estas empresas de serviços e tecnologia de petróleo, faturam mais que muitas petroleiras em atuação do mundo, ficando atrás apenas das players gigantes. 

E por fim, os EUA, pelo volume de produção, pela capacidade de estocagem e de logística para exportação e de importação de óleo cru, para processamento em seu parque de refino, seu imenso consumo e exportação de derivados, tendem a ampliar também o peso sobre norte-americano como regulador de preços do petróleo, no mercado internacional, em disputa com a Opep e demais produtores.

Chamo a atenção ainda para a participação de fundos financeiros e investidores americanos (sistema financeiro americano) em diversos projetos de infraestrutura portuária, logística dutoviária e outros, vinculados à imensa cadeia produtiva do petróleo no país, o que só aumenta a capacidade dos EUA em intervenção e controle sobre o setor no Brasil.

Para fechar reproduzo abaixo o slide com que abri uma exposição feita no Congresso do Petroleiros na última quarta-feira, 06/06/2018, a convite do Sindipetro-NF que resume a questão que descrevi acima.

Slide 2/25 da palestra do autor no Congresso do Sindipetro-NF em 6 jun. 2018.




























Referências:
[1] Artigo no blog em 30 de maio de 2018. Aumento da produção de petróleo nos EUA entre 2010 e 2018 e a relação com o preço de combustíveis no Brasil. Disponível em: http://www.robertomoraes.com.br/2018/05/aumento-da-producao-de-petroleo-nos-eua.html

[2] Reportagem do site PetroNotícias em 7 jun. 2018. Resultado do leilão faz a ExxonMobil pular para 25 blocos de operação no pré-sal. Disponível em: https://petronoticias.com.br/archives/113054?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+Petronotcias+%28PetroNot%C3%ADcias%29

[3] CARARINE, Cloviomar e COLOMBINI, Iderley. O pré-sal a preço de banana. Carta Capital. 7 jun. 2018. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/economia/o-pre-sal-a-preco-de-banana

[4] Artigo no blog em 4 jun. 2018: A disputa pela hegemonia EUA x China e relações para o Brasil. Disponível em: http://www.robertomoraes.com.br/2018/06/a-disputa-pela-hegemonia-eua-x-china-e.html

PS.: Atualizado às 13:14: para incluir e atualizar as referências citadas na postagem.

segunda-feira, junho 04, 2018

Pré-sal um "Oriente Médio" de produção de petróleo: único poço com 50 mil barris por dia

Pré-sal um "Oriente Médio" de produção de petróleo.

No último Boletim Mensal de Produção da Agência Nacional de Petróleo (ANP), divulgado hoje - referente à produção de abril, sempre dois meses depois, um único poço (3BRSA1305ARJS, no campo de Mero) registrou a produção de 50,8 mil barris por dia de óleo equivalente (petróleo + gás natural). 36 mil bpd só de petróleo. 

Repito produção de um único dia para num único poço. Um colosso.

Mais: um total de 22 poços todos na Bacia de Santos, em 3 diferentes campos do pré-sal Mero (Libra, Lula e Sapinhoá), com produção unitária de mais de 30 mil barris por dia cada um.

E tem gente que ainda se pergunta porque e para quê o golpe de 2016 no Brasil!
Boletim Mensal de Produção da ANP - Abril 2018. P.19.


























Neste mesmo boletim de abril da ANP, se registrou que a Petrobras com produção total de óleo e gás de 3,087 milhões de boepd é o operador de produção com 94,1% da produção nacional de 3,280 milhões de boepd. 

Na condição de concessionário a Petrobras já caiu para 2,4 milhões de boepd estando atualmente com da 76% da produção nacional. Em segundo lugar está a petroleira anglo-holandesa, Shell com 409 mil barris de óleo equivalentes por dia, ou 12,4% da produção nacional. 

Em terceiro lugar como concessionário está a petroleira portuguesa Petrogal com 116 mil boepd (3,5%). Em quarto lugar, o consórcio entre a espanhola Repsol e a chinesa Sinopec com 76 mil boepd. Em quinto lugar a petroleira norueguesa Statoil com produção de 37 mil boepd.

A disputa pela hegemonia EUA x China e relações para o Brasil

Uma parte das ações dos EUA na área de petróleo, onde busca maior protagonismo, quando está prestes a alcançar a posição de maior produtor mundial, é o enfrentamento com a China que é o maior importador mundial de óleo cru.

No campo geral, o embate geral na área comercial se dá entre o maior importador do mundo (EUA) e o maior exportador (China).

O crescimento da China nas duas últimas décadas é muito forte. Os dados da OCDE num infográfico produzido pelo Valor (4 jun. 2018, P. A10)  e republicado abaixo mostra esta ascensão.























Aos poucos a China tem ultrapassado os EUA, como está prestes a acontecer como o maior mercado de varejo do mundo, que seria impensável que isto ocorresse.

Porém, a discrepância social nos EUA, mas a distância entre ricos e pobres cria estas e outras limitações.

Ha dois dias em postagem aqui no FB, eu repercuti estudo de um especialista da ONU que identifica que "41 milhões de pessoas, ou 12,7 por cento da população, vivem em situação de pobreza, enquanto 18,5 milhões estão em situação de extrema pobreza".

Ou seja, o esgarçamento social com o aumento da pobreza nos EUA limitam sua capacidade como nação.

Isto explicam as tensões comerciais e políticas não apenas contra a China, mas contra antigos aliados como os países da Europa, Canadá e México na América e o pouco caso e pressão contra o Brasil.

É oportuno registrar que parte das compras dos chineses aos americanos coincidem comas brasileiras no campo dos agronegócio (alimentos) e investimentos em energia.

Vale ainda relembrar que a China possui US$ 200 bilhões de títulos do Tesouro dos EUA que se vendidos colocariam forte pressão também sobre o sistema financeiro americano.

Difícil crer que esta perda de hegemonia não estiquem ainda mais as cordas e as tensões.

sábado, junho 02, 2018

O day-after de Parente fora da Petrobras: continua a disputa dentro do golpe, mas a resistência mudou a conjuntura

Ao contrário do que alguns afirmam, a saída de Parente é uma pressão maior do mercado sobre o seu próprio governo, o de Temer.

O bloco monolítico do governo da pinguela está se rompendo. Há interesses conflitantes que agora ficaram expostos.

A saída de Parente se insere neste campo de disputa.

A posição exposta por Parente em sua saída, quer fazer crer que se trata de uma posição individual.
Nada.

O mercado a quem o Parente representava no governo pós-golpe sabe que a redução dos R$ 46 centavos no litro do diesel não vai funcionar.

O congelamento que é negado em discurso, mas na prática realizado até com a implantação de um sistema de fiscalização, é uma contradição num governo racionalmente neoliberal que prega um mercado livre.

Ao contrário dos mesmos que têm esta concepção de mundo, a economia nunca estará deslocada da política, como gostariam.

Assim, a saída do Parente representa uma pressão desta parte do mercado sobre o poder político, para ainda tentar manter as regras implantadas pela “pinguela para o passado”, até que as privatizações de parte do parque de refino e de mais uma parte da malha de dutos da Petrobras, tenham sido efetivadas nestes meses que restam.

A diferença é que no mundo real da política, hoje, em relação a ontem é que o novo apagão do Parente deixou a Globo quase que falando sozinha com os seus repetitivos “colonistas” econômicos e políticos.

A disputa sobre os rumos da base golpista ficou exposta com o movimento dos caminhoneiros.

A luta contra o preço do diesel colocou uma cunha que antes havia sumido entre a parte rentista e a produtiva do mercado.

Isso fica claro no campo político, e é expresso na pulverização de candidatos sem votos na base golpista o que pode ter permitir a retomada de opções antes descartadas.

Quem tem mais a perder com a crise que namora a barbárie, parece que pode ter voltado a entender que só a política pode mediar caminhos menos inseguros e que incorpore e não isole a maioria da população brasileira.

Se essa hipótese interpretativa se sustentar, é possível que a nação possa se reencontrar consigo mesmo em eleições livres e democráticas daqui a quatro meses - que mesmo sendo um tempo por demais curto – seria a única forma da maioria da população voltar a ter representação institucional dentro do sistema político brasileiro.

Os tempos líquidos e velozes atuais também valem para os movimentos na sociedade e na política.

Há menos de duas semanas o quadro era outro. Ou não?

Se essa leitura da conjuntura faz algum sentido, será preciso agir e operar as saídas e alternativas.

sexta-feira, junho 01, 2018

Parente fez o que o mercado bem quis e saiu jogando fora o fruto chupado da Petrobras

Interessante que o site de notícias InfoMoney (mercado) noticiou a saída do Pedro Parente da presidência da Petrobras na frente das outras mídias comerciais.

A crise não tem fim.

Parente entrou na estatal fez aquilo que o mercado queria, vendeu as fatias esquartejadas da empresa a preço de xepa, no auge dos preços mais baixos do petróleo;
pagou adiantado a bancos presidido no Brasil por seu sócio;
Montou uma política de preços de combustíveis suicida que multiplicou a importação de combustíveis e etanol dos EUA, ao mesmo tempo que reduziu em mais de 30% a produção nas refinarias no Brasil...

Fez o que bem quis (a serviço do mercado) e agora joga o bagaço fora.

Este era o sujeito eficiente do mercado.

Esta turma não tem nenhum compromisso com a Nação.

A Petrobras precisa voltar a ser dos brasileiros.

A nação precisa se reencontrar consigo mesmo e as eleições livres e democráticas são a única forma da maioria ter de volta a representação institucional dentro do sistema político.

quarta-feira, maio 30, 2018

Aumento da produção de petróleo nos EUA entre 2010 e 2018 e a relação com o preço de combustíveis no Brasil

Uma parte dos interesses americanos com o setor de petróleo deixou de ter relação apenas com o seu enorme consumo, disparado o maior do mundo, para ter também um interesse crescente com outras etapas da cadeia produtiva, como a produção e refino com vistas às exportações dos combustíveis.


O infográfico abaixo publicado no Valor em matéria da Agência Reuters, com dados do Departamento de Energia dos EUA, Opep e Ministério da Energia da Rússia, mostra como foi vertiginosa, a expansão da produção de petróleo nos EUA, depois da sedimentação das novas formas e técnicas de exploração do petróleo de xisto (tight oil) em seu território.

Os EUA se preparam para em 2019 assumir a liderança mundial da produção de petróleo do mundo, que nos últimos anos vem sendo liderado por anos seguidos pela Rússia, com produção em torno de 11 milhões de barris por dia seguido da Arábia Saudita.

Hoje, a produção mundial de petróleo está entre 98 e 99 milhões de barris por dia, com previsão de chegar no ano que vem a 100 milhões de bpd. Da produção da Rússia, a líder do mundo com 11 milhões de bpd, aproximadamente 7 milhões de bpd, são exportados, enquanto nos EUA as exportações de óleo cru, cuja proibição foi suspensa em 2015, estão hoje acima de 2 milhões de barris por dia, enquanto as exportações americanas de combustíveis não param de subir.

De certa forma, esta realidade também ajuda a mostrar as consequências disto sobre o Brasil, na medida em que os EUA passou a ser destino de uma parte do petróleo bruto brasileiro que cresce desde 2016 de forma significativa. Junto disso, o Brasil também passou a importar mais combustíveis oriundos do refino nas refinarias americanas, o que contribuiu de forma especial para a atual crise de preços dos combustíveis que ainda em nosso mercado interno.

Com esta postagem eu quero chamar a atenção para a ampliação da importância do setor petróleo para a economia americana e para as suas decisões de poder.

terça-feira, maio 29, 2018

Controladora da Autopista Fluminense S.A. tem lucro de R$ 1,5 bilhão

Numa época em que os os caminhoneiros reclamam do preço do diesel e dos pedágios, eu tomo
conhecimento que a Arteris do Brasil que controla a Autopista Fluminense S.A., concessionária da BR-101 no ERJ, teve um lucro em 2017 de R$ 1,5 bilhões, diante de uma receita de R$ 4,4 bilhões.
Ou seja, mais de 1/3 de lucro.

A Arteris é uma empresa (joint-venture) de sociedade entre a espanhola Abertis e o fundo financeiro canadense Brookfield.

segunda-feira, maio 28, 2018

A crise do diesel é resultado do golpe e da pinguela para o passado

Que não paire nenhuma dúvida, a crise do diesel é consequência direta do acordo PMDB-PSDB.

É resultado, depois de dois anos de implantação, das ideias do documento "Uma ponte para o futuro", lançado em 29 de outubro de 2015, como plataforma golpista do Temer.

O documento foi absorvido pelo PMDB, quando o partido decidiu pelo golpe. O documento é quase uma cópia e foi inspirado no ensaio de três economistas da órbita do PSDB: Mansueto Almeida, Marcos Lisboa e Samuel Pessoa.

É importante lembrar sobre isso, porque é comum que os neoliberais corram de suas responsabilidades, quando a bomba estoura e a gravidade da situação fica exposta.

Sim, vão dizer que precisam ser ainda mais radicais na implantação das ideias neoliberais.

Aliás, é possível que também se recordem do economista austríaco Hayek, quando este, em 1981, defendia ardorosamente a ditadura de Pinochet no Chile, descartando o princípio democrático.

Na ocasião Hayek deixou registrada sua posição alegando que "a democracia não era um fim em si mesmo, mas apenas um meio que somente tinha valor como método de seleção dos dirigentes".

O buraco segue sendo cavado por quem continua de bruços e assim aumentado o tamanho do precipício.

Repito assim, o que disse ontem ao final da noite.

A nação precisa se reencontrar consigo mesmo e as eleições livres e democráticas são a única forma da maioria ter de volta a representação institucional dentro do sistema político.

domingo, maio 27, 2018

A luta dos caminhoneiros do Brasil expôs questões bem para além do preço do diesel

A rapidez com que as consequências da paralisação de cerca de 2 milhões de caminhoneiros provocaram em todo o Brasil nos deram demonstrações sobre as mudanças na forma e conteúdo do trabalho no mundo contemporâneo. Poucos poderiam avaliar que os impactos sobre toda a população seriam tão grandes e em tão curto espaço de tempo.

A relação entre as etapas da produção, circulação e consumo das mercadorias já foi amplamente estudada como sendo a tríade marxiana. A produção descentralizada, expandida e em parte globalizada, demanda cada vez mais a etapa da circulação da mercadoria para garantir o consumo.

A etapa da circulação das mercadorias é um serviço que foi ganhando velocidade com redução de tempo, numa lógica de redução dos estoques da produção para diminuição de custos e capital envolvidos em todo o processo.

A redução do tempo entre a produção, distribuição e o consumo, a partir de um determinado período passou a ser considerado como um sistema de administração, que foi chamado pela expressão em inglês de “just-in-time”, ou de produção “no tempo certo”.

O avanço colossal e rápido da tecnologia de comunicações online facilitou a troca de informações entre produtores e consumidores ampliando e aproximando os mercados intra-nação e internacional, gerando mais possibilidades e demandas por transportes.

O "WhatsApp" hoje conecta a tríade entre a produção, circulação, distribuição e o consumo que são monitoradas online. Assim, no Brasil, é o transporte rodoviário que faz a ligação (fluxo) material entre a produção e o consumo que foi negociada pelo fluxo informacional.

Tudo isso passou a exigir sofisticados e ágeis mecanismos de transportes nos vários modais, desde o rodoviário, ferroviário e marítimo. Todos profundamente imbricados com o uso do petróleo que fez com que o transporte fosse aos poucos assumindo uma liderança cada vez maior, no consumo de energia derivada do petróleo em todo o planeta.

Vale por isso observar que o petróleo é uma mercadoria especial, porque ao mesmo tempo, ela precisa dela própria para se transportar e não por outro motivo ela acaba sendo, como se vê no caso atual no Brasil, aquela mercadoria mais importante em termos de abastecimento.

Todo este processo ajuda a explicar uma parte importante da evolução do capitalismo desde o comercial, industrial ao financeiro. Este foi se tornando importante não apenas para financiar a produção, mas também a expansão da infraestrutura vinculada à logística de transporte e do consumo, capturando ganhos crescente de todas estas etapas.

A importância da atividade de transporte acabou, por ser modernamente chamada como a "revolução da logística", que quase se transformou numa ciência específica, profundamente prática com montagem de protocolos, procedimentos integradas à tecnologia.

No Brasil como muito já foi comentado, como um país com extensão continental, não poderia ter deixado se transformar num modal de transporte de cargas e pessoas, basicamente rodoviarista, quando se sabe que em distâncias superiores a 1 mil a 2 mil quilômetros a ferrovia seria mais eficiente. E acima disso, o modal naval teria mais vantagens.

Esta enorme e potente mobilização contra o preço do diesel no Brasil atual nos tem apontado várias questões, para além do debate sobre a política de preços do diesel, como de todas a cadeia produtiva do petróleo e combustíveis no Brasil.

Por exemplo, nos mostrou que boa parte da nossa alimentação mais rica e natural está perto da gente, mas precisa do transporte para chegar a cada um de nós. Vale também chamar a atenção sobre as condições precárias de trabalho da maioria dos motoristas.

Tornou-se também importante ampliar o debate sobre a questão do modal rodoviário diante de outras possibilidades, mas também seria oportuno discutir os impactos da forma de organização do trabalho moderno, diante de um mercado disperso e em contante expansão e alta concentração de renda.

Tudo isto demanda mais e mais transportes, que por sua vez consomem mais combustíveis que são um dos principais insumos desta atividade. Por isto é importante chamar a atenção da relação biunívoca entre os profissionais de logística (onde estão os caminhoneiros) e o setor do petróleo e seus derivados, área da qual dependem tão diretamente.

Talvez, esta seja na essência, alguma das razões e motivos, para que estas duas categorias profissionais possam vir a se encontrar, num movimento para além das justas reivindicações setoriais. E assim, pensar na mediação e no estabelecimento de políticas mais amplas para toda a nação.

De uma forma ou outra, o caso também nos lembra que mesmo na sociedade mais tecnologizada, o trabalho humano continua como parte importante da movimentação do sistema.

sexta-feira, maio 25, 2018

"Mesmo que a Petrobrás tivesse margem de lucro de 50%, o diesel poderia ser vendido nos postos a R$ 2,30 desde que o petróleo fosse produzido e refinado no Brasil", por Paulo Cesar Lima

Em artigo publicado há pouco no site da Aepet (Associação dos Engenheiros da Petrobras), o engenheiro e especialista no setor de petróleo, Paulo Cesar Ribeiro de Lima, que também já foi consultor Legislativo, tanto do Senado Federal, quanto da Câmara dos Deputados.

A breve análise de Ribeiro Lima reforça o que se tem exaustivamente dito sobre a oneração que se teve no preço dos combustíveis, desde que a estatal passou a enviar petróleo bruto para o exterior e importar derivado dos EUA.

O artigo traz dados que tornam o argumento como imbatível para se entender a questão que levou o Brasil à crise do diesel que estourou esta semana no país. Se o objetivo é compreender tudo aquilo que envolve a questão do preço do diesel no Brasil, você não pode deixar de conferir o artigo e guardar as referências.

A produção e refino de petróleo como utilidade pública
Lavra e refino são monopólios da União
Paulo César Ribeiro Lima [1]

Como bem estabelece a Constituição Federal, em seu art. 177, tanto a lavra quanto o refino são monopólios da União, que, por sua vez, pode contratar essas atividades com empresas estatais ou privadas. Transcreve-se, parcialmente, esse artigo:

“Art. 177. Constituem monopólio da União:

I - a pesquisa e a lavra das jazidas de petróleo e gás natural e outros hidrocarbonetos fluidos;

II - a refinação do petróleo nacional ou estrangeiro;
(...)
      § 1º A União poderá contratar com empresas estatais ou privadas a realização das atividades previstas nos incisos I a IV deste artigo observadas as condições estabelecidas em lei. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 9, de 1995)
(...)”

Também é importante destacar que o abastecimento nacional de combustíveis é considerado atividade de utilidade pública, nos termos da Lei nº 9.847 de 26 de outubro de 1999:
“Art. 1º A fiscalização das atividades relativas às indústrias do petróleo e dos biocombustíveis e ao abastecimento nacional de combustíveis, bem como do adequado funcionamento do Sistema Nacional de Estoques de Combustíveis e do cumprimento do Plano Anual de Estoques Estratégicos de Combustíveis, de que trata a Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997, será realizada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) ou, mediante convênios por ela celebrados, por órgãos da administração pública direta e indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.

§ 1º O abastecimento nacional de combustíveis é considerado de utilidade pública e abrange as seguintes atividades:

I - produção, importação, exportação, refino, beneficiamento, tratamento, processamento, transporte, transferência, armazenagem, estocagem, distribuição, revenda, comercialização, avaliação de conformidade e certificação do petróleo, gás natural e seus derivados; (...)”

Em resumo, a produção e o refino de petróleo não podem ser tratados como um simples negócio privado com foco no lucro empresarial e no mercado, como tem ocorrido, ilegalmente, no País.

O Brasil, com a descoberta da província petrolífera do Pré-Sal, tem oportunidade única de se tornar autossuficiente tanto em petróleo quanto em combustíveis. Importa ressaltar que o País é exportador líquido de petróleo, mas importador líquido de derivados de petróleo.

Nos anos recentes, o Brasil tem sempre exportado petróleo pesado e importado petróleo mais leve para gerar uma carga adequada para as refinarias. No entanto, nos últimos anos, foi muito grande o aumento das exportações de petróleo, conforme mostrado na Figura 1.





























Figura 1 – Evolução das exportações de petróleo cru.

Em 2005, o Brasil exportou cerca de 100 milhões de barris; em 2017, as exportações foram superiores a 350 milhões de barris. Se esse petróleo exportado, produzido a partir da exploração de um bem da União, nos termos do art. 20 da Constituição Federal, fosse refinado no Brasil, seriam gerados empregos e autossuficiência em derivados de petróleo, tão importantes para o desenvolvimento sustentável do País.

A consequência das exportações de petróleo cru e a pouca importância dada às atividades de refino é o aumento das importações de derivados, como mostrado na Figura 2.




























Figura 2 – Evolução das importações de derivados básicos.

Em 2005, o Brasil importou apenas cerca de 15 milhões de barris de óleo diesel; em 2017, a importação desse derivado ultrapassou 80 milhões de barris. No passado, o País era exportador de gasolina; em 2017, o Brasil importou mais de 28 milhões de barris desse combustível. Também grande foi o aumento das importações de gás de cozinha, o chamado gás liquefeito de petróleo (GLP), cujas importações aumentaram de cerca de 5 milhões de barris em 2005 para mais de 20 milhões em 2017.

Essas importações de derivados provocam um grande impacto nos preços aos consumidores brasileiros, pois são comprados a preços de mercado internacional em dólares e sujeitos a variações cambiais. Além disso, há um custo de internação para trazer esses combustíveis para o Brasil.

As licitações de blocos da província do Pré-Sal são, então, uma grande oportunidade para fazer com que o Brasil se torne autossuficiente em derivados básicos como óleo diesel, gasolina e GLP.

Bastava que as resoluções do CNPE e os editais da ANP, que estabelecem as condições contratuais, condicionassem as exportações de petróleo cru ao abastecimento do mercado nacional com combustíveis produzidos no Brasil. Se isso ocorresse, estariam resolvidos os graves problemas do mercado nacional de combustíveis.

Atualmente, o custo de extração do Pré-Sal já é inferior a US$ 7 por barril. O preço mínimo do petróleo para viabilização dos projetos do pré-sal (break-even ou preço de equilíbrio), que era de US$ 43 por barril no portfólio da Petrobrás de três anos atrás, caiu para US$ 30 por barril no plano de negócios em vigor, o que representa uma redução de 30%. Adicionados ao custo de extração outros custos como depreciação e amortização, de exploração, de pesquisa e desenvolvimento e de comercialização, entre outros, o custo total de produção pode chegar a US$ 20 por barril.

Mas não é apenas o custo de produção do Pré-Sal que é baixo, o custo médio de refino da Petrobrás no Brasil também é baixo, muito inferior ao do exterior, conforme mostrado na Tabela 3. Nos últimos quatro trimestres, o custo médio de refino da Petrobrás foi inferior a US$ 3 por barril.


























Figura 3 – Custo médio de refino da Petrobrás.

O custo total de produção somado ao custo de refino totaliza apenas US$ 23 por barril. Se o preço de equilíbrio for somado ao custo médio de refino, em vez do custo total de produção, chega-se a um custo médio de US$ 33 por barril de combustível.

Somados outros custos administrativos e de transporte, o custo médio de produção de óleo diesel, por exemplo, seria de, no máximo, US$ 40 por barril. Utilizando-se uma taxa de câmbio de 3,7 Reais por Dólar e que um barril tem 158,98 litros, o custo médio de produção do diesel é de apenas R$ 0,93 por litro.

Ocorre que a Petrobrás, antes da redução de 10% no preço do óleo diesel por 15 dias, estava praticando um preço médio nas refinarias de R$ 2,3335 por litro, o que representa uma margem de lucro de 150%. Depois dessa redução, o preço do óleo diesel nas refinarias reduziu-se para R$ 2,1016 por litro.

Mesmo após essa redução de 10%, a margem de lucro da Petrobrás de 126% seria altíssima Assim sendo, não faz sentido a estimativa de que a União poderia ter que repassar R$ 4,9 bilhões à estatal até o final do ano. Em relação ao óleo diesel produzido a partir do petróleo nacional, essa redução de 10% representa apenas uma diminuição nas margens de lucro de 150% para 126%, ambas altíssimas.

Se todo o óleo diesel consumido no Brasil fosse produzido internamente a um custo de R$ 0,93 por litro, o preço nas refinarias, mesmo com uma margem de 50%, seria de R$ 1,40 por litro, valor muito inferior ao praticado pela Petrobrás, de R$ 2,3335 ou R$ 2,1016 por litro.

Estima-se, a seguir, qual seria o preço nos postos se o preço de realização da Petrobrás, nas refinarias, fosse de R$ 1,40 por litro. A esse valor têm que ser acrescidas as seguintes parcelas, por litro:

- Cide: R$ 0,05;
- Pis/Cofins: R$ 0,298;
- Margem de distribuição e revenda (cerca de 9%): R$ 0,207;
- ICMS (15%, em média): R$ 0,345.

Observa-se, então, que se o petróleo do Pré-Sal for refinado no Brasil, ele poderá ter um preço nos postos de combustíveis de R$ 2,30 por litro; preço muito menor que o atualmente praticado que é superior a R$ 3,50 por litro.

Conforme mostrado na Figura 4, a carga tributária incidente sobre o óleo diesel, de apenas 29%, é muito baixa quando comparada a outros países. Na Europa, a carga tributária sobre esse combustível é bem superior a 50% e mesmo o diesel sendo importado, o valor pago na refinaria é menor que no Brasil. Os tributos cobrados chegam a ser três vezes maiores que no Brasil.

Nesse contexto, não faz sentido que a União deixe de arrecadar, anualmente, cerca de R$ 14,9 bilhões, relativos a Pis/Cofins, como aprovado pelo Plenário da Câmara dos Deputados, no dia 23 de maio de 2018, e R$ 2,5 bilhões, relativos à Cide. Registre-se que 29% da Cide é repassada a Estados e Municípios.

Os dados mostrados na Figura 4 demonstram, claramente, como a atual política de preços no Brasil é tecnicamente equivocada.































Figura 4 – Composição do preço do óleo diesel em diversos países.

Dessa forma, não se justifica reduzir tributos sobre esse combustível, que podem ser importantes para a consecução de políticas públicas em quadro de crise fiscal. A grande parcela, e que precisa ser reduzida, é o valor pago na refinaria, que representa 55% do preço nas bombas.

O alto preço de realização nas refinarias do Brasil decorre do fato de a política de preços da Petrobrás acrescentar ao preço no Golfo (Estados Unidos) um custo de transporte, de taxas portuárias e de margem de riscos. Assim, o preço da estatal é mais alto que o preço no mercado internacional.

Está também sendo repassada para os consumidores, até diariamente, a volatilidade tanto dos preços no mercado internacional quanto do câmbio para a população, o que não faz, tecnicamente, o menor sentido. A redução dessa volatilidade pode ocorrer por diversos métodos, como bandas ou médias móveis, como ocorre nos países não autossuficientes em derivados. Nesses países, os períodos de amortecimento variam de semanas a meses.

Figura 5 mostra os preços de realização nas refinarias da Petrobrás do óleo diesel S-10 e S-500, assim como o óleo diesel de baixo enxofre nos Estados Unidos (Golfo).






































Figura 5 – Evolução dos preços do óleo diesel depois da nova política da Petrobrás.

Como mostrado na Figura 5, além de voláteis, os preços nas refinarias do Brasil são mais altos que nos Estados Unidos (Golfo), em razão da atual política de preços da Petrobrás.

Em suma, mesmo que a Petrobrás tivesse uma margem de lucro de 50%, o óleo diesel poderia ser vendido nos postos a R$ 2,30 por litro, desde que o petróleo fosse produzido e refinado no Brasil. Daí a importância de se combater o Edital da 4ª Rodada de Licitações do Pré-Sal, por não fazer qualquer exigência relativa a refino no País.

Se os contratos assinados com as empresas petrolíferas estabelecessem esse tipo de exigência, por certo não estaríamos vivendo a dramática crise de abastecimento que ora assola o País.


Referências do autor e gráficos (figuras):
[1]Paulo Cesar Ribeiro Lima foi engenheiro da Petrobrás, Consultor Legislativo do Senado Federal e Consultor Legislativo da Câmara dos Deputados.



[4] Disponível em http://www.petrobras.com.br/pt/produtos-e-servicos/composicao-de-precos-de-venda-as-distribuidoras/     Acesso em 25 de maio de 2018.


Fonte: Site da Aepet no link: http://www.aepet.org.br/w3/index.php/artigos/artigos-da-aepet-e-colaboradores/item/1761-a-producao-e-refino-de-petroleo-como-utilidade-publica