domingo, abril 20, 2014

Eike escolhe falar para agência e jornal americano para dizer que não teme investigação da Polícia Federal

O empresário Eike Batista preferiu falar para agência de notícias e ao jornal americano The Wall Strret Journal sobre o inquérito aberto pela Política Federal para investigar suas operações no mercado de capitais.

A entrevista aconteceu ontem por telefone, e só neste sábado à noite é que sites de jornais e revistas brasileiras repercutiram sua entrevista. Ele disse:

"É excelente que tudo seja esclarecido", disse Batista em entrevista pelo telefone à Agência Dow Jones. "Estou muito calmo. Deixemos que eles investiguem".

A revista Exame divulgou ainda sobre a entrevista de Eike ao WSJ: "

Eike Batista afirmou ainda que não foi procurado pela Polícia Federal e negou que tivesse cometido qualquer crime. Ele reconheceu que vendeu ações da OGX no passado, mas observou que sempre informou as autoridades reguladoras sobre tais transações. "Todas as vendas foram declaradas", afirmou. "Tudo relacionado as minhas companhias abertas sempre foi revelado ao mercado".

Veja abaixo a manchete da matéria no jornal americano The Wall Strret Journal:























PS.: Atualizado às 00:58: Aproveitando a ocasião da notícia sobre o empresário Eike Batista, e ainda revirando arquivos e anotações, o blogueiro localizou uma matéria do jornal O Globo, do dia 19 de janeiro de 2013, página 29, que informa sobre a confirmação da entrada do empresário da Firjan, Eduardo Eugênio Vieira, na condição de "segundo" de Eike, aceitando o cargo criado para ele de vice-presidente da holding EBX. Na mesma reportagem, Eduardo Eugênio declarou que "empresa grande é a minha cancha". O grupo apresentava alguns problemas, mas, ainda não vivia a fase de sufoco.

Menos de dois meses depois, para ser mais exato, 46 dias, no mesmo momento em que Eike anunciava o acordo com André Esteves do banco BTG Pactual para ajudar a contornar os problemas estruturais e financeiros de suas empresas, Eduardo Eugênio deixa o grupo EBX alegando divergências sobre o  modelo de administração.









PS.: Atualizado às 00:40: Aproveitando o tema e ainda revirando uma série de documentos arquivados, o blogueiro encontrou uma matéria do jornal O Globo, de 19 de janeiro de 2013, em que o presidente da Firjan confirmava que tinha aceitado ser o "segundo" de Eike, na condição de vice-presidente da holding EBX. Na reportagem, Eduardo Eugênio fala ainda que "empresa grande é a minha cancha". No final das contas, o presidente da EBX ficou exatos 46 dias no grupo EBX, pedindo para sair logo depois que foi anunciada a entrada do André Esteves do Banco BTG Pactual, já para tratar de uma tentativa de reestruturação já com a crise iniciada. Na ocasião 

2 comentários:

Leandro Azeredo Cordeiro disse...

Roberto você conhece algum livro sobre a fauna da nossa região?

Roberto Moraes disse...

Não Leandro. Não tenho como lhe indicar porque não é área dos meus estudos.

Lembro apenas de uma publicação recente feita pela Editora Essentia do IFF do professor Francisco Esteves da UFRJ sobre o histórico da instalação do Parque Jurubatiba que tem capítulo sobre a flora e fauna, além das lagoas da região onde hoje está o parque.