segunda-feira, outubro 08, 2018

No Brasil todo é hora de organizar a Frente Ampla em Defesa da Democracia!

É providencial que mais algumas boas análises nos ajudem a entender o que se passa na Política em nosso país.

Porém, mais do que análises necessitamos de ação e organização de uma Frente Ampla em Defesa da Democracia.

Ontem, eu já escrevi sobre isso. Vou agora resumir algumas ideias que visam mais a organização para a ação.

Nós lutamos no momento contra muitos monstros.

Contra a falsa modernidade que atrapalha o diálogo e a construção da confiança.

É tudo líquido, superficial e muito fragmentado.

Como sabemos o que está em jogo não é só uma eleição ou um partido.

São os meios de mediação para manter a civilização e reduzir as desigualdades.

Será preciso sim, humildade para auscultar mais e melhor.

Generosidade para absorver divergências.

Tolerância e grandeza de espírito para incorporar as boas e bem intencionadas críticas.

Solidariedade para buscar consensos na ação.

Antes ou junto das coordenações nacionais desta Frente Ampla pela Democracia, há se pensar em articular "comitês locais/regionais, multi e/ou suprapartidários" junto as comunidades locais, em Defesa da Democracia.



Antes até das grandes manifestações de rua, eu penso que é preciso ouvir as posições diversas, mas consensuais sobre o que e como agir em defesa da democracia.

Isso não precisa paralisar a campanha do 2º turno que começa já a partir das 17 horas.

Sigamos em frente, com todos aqueles que se disponham a ampliar a luta em defesa da Democracia em nosso querido Brasil!

2 comentários:

Tudo Um Pouco disse...

Em 2006 entrei na escola federal que Lula ampliou aqui na minha cidade formei Técnico em Mecânica. Comecei a trabalhar na área de óleo e gás aqui em Macaé numa multinacional. Comprei minha casa e meu primeiro carro. Um Fiesta zero km 1.6 que tenho até hoje. O governo deste homem mudou a minha vida.
Sempre serei grato ao Lula sempre votarei no Lula. Meus pais nunca tiveram condição de viver bem neste país, meu pai morreu sem ter nada,sempre trabalhou somente pra colocar comida na mesa. Nunca teve condição pra nada. Por isso sempre serei eternamente grato ao LULA. PRIMEIRAMENTE DEUS NO CÉU DEPOIS O LULA AQUI NO BRASIL.

Anônimo disse...

No país que mais mata transgêneros no mundo, que tem alta taxa de feminicídio e a violência policial faz entre as principais vítimas jovens, negros e periféricos, o discurso misógino, homofóbico e fascista de Bolsonaro fortalece as mazelas brasileiras.

Segundo o presidenciável, policial que mata "10, 15 ou 20 com 10 ou 30 tiros cada um " deve ser condecorado. Também de acordo com Bolsonaro, o trabalhador precisa escolher entre direitos ou emprego.

A resposta do Sr. Bolsonaro ao crime é, na verdade, matar mais criminosos – embora, em 2016, a polícia tenha matado mais de 4.000 pessoas.

A democracia no Brasil ainda é jovem e flerta com um autoritarismo preocupante.

Sua reverência pela ditadura faz dele uma ameaça à democracia, em um país já fragilizado pela exposição das fraudes políticas e pela miséria gerada pela crise econômica.

Diante do atual quadro eleitoral disponível, não podemos fechar os olhos para uma realidade que promete ser ainda pior.

No governo do PT, uma presidente submeteu-se a processo de impeachment, aceitando seu afastamento, assim como outros caciques do partido, principalmente José Dirceu e Lula, conheceram as celas da Polícia Federal.

Ou seja, apesar de tudo, a democracia, diferentemente do que é propagado, nunca esteve ameaçada.

Este é o ponto.

Alguém, por exemplo, acredita que Jair Bolsonaro aceitaria submeter-se a processo de impeachment se flagrado em imoralidade ?

Parte do eleitorado do capitão, gente decente que optou apoiá-lo, compreensivelmente, por conta do ódio ao PT, entenderia como corretos os acenos do candidato à volta da ditadura, à pratica da tortura, à disseminação de discriminações diversas, todas identificadoras da formação de seu caráter ?


Bolsonaro, agora, repete o discurso, embora existam diversos relatos e fatos que contradizem esta versão (Wal do Açai, esposa empregada em gabinete, desvio de recursos eleitorais e imoveis para parentes, doação da JBS dissimulada como se fora do partido, etc).

Estar com Bolsonaro é colocar em risco as décadas de avanços, ainda tímidos, conquistados, no princípio, com sangue, suor e lágrimas de vítimas da ditadura, mantidos, posteriormente, pelo bom senso dos que, em meio às divergências, preferem travar seus duelos no campo da democracia.

Um eventual governo de Jair Bolsonaro buscará apoiar a todos os produtores rurais, não só os maiores, desburocratizar processos e acabar com a chamada “indústria das multas” do Ministério de Meio Ambiente, disse nesta terça-feira à Reuters Luiz Antônio Nabhan Garcia, aliado do candidato do PSL à Presidência.

Bolsonaro afirma que Nabhan pode comandar o Ministério da Agricultura (MAPA) e do Meio Ambiente (que será incorporado no MAPA). Apesar do MAPA sempre ser comandado por agentes do latifúndio ou o próprio latifundiário, dessa vez Bolsonaro está colocando na pasta um latifundiário responsável por fundar e coordenar até hoje uma das entidades mais conservadoras e direitistas do campo, a União Democrática Ruralista (UDR).

Bolsonaro quer latifundiário, pistoleiro e fundador da UDR no comando do Ministério da Agricultura.
Ficar em cima do muro nesta eleição é um absurdo.

Bolsonaro deixa claro qual é o programa antiecológico. Acabar com o Ministério do Meio Ambiente, garrotear Ibama e ICMBio.

Espantoso é que gerentes do mercado de capitais, de bancos e do capitalismo dito moderno, desses vegetarianos que gostam de andar de bicicleta e doar para ONGs para ajudar o ambiente, estejam apoiando Bolsonaro.