terça-feira, outubro 05, 2004

O que restou?

Ao contrário do que foi veiculado na coluna Painel Político de Saulo Pessanha (que anda bebendo desta fonte sem citá-la) Makoul não foi vítima de uma nominata fraca. Ele foi parte desta decisão de passar por cima de outras opiniões usando a maioria partidária do presidente. A decisão de afastar outros setores do partido com esta posição (por mim alertada) embora legal, sob o ponto de vista estatutário, se mostrou como alertado, profundamente equivocada sob o ponto de vista político partidário. Por diversas vezes afirmamos que o partido não faria nenhum vereador naquela situação. Sem aliança e isolado seria impossível. Faltaram 8.601 votos para se conseguir fazer um vereador. O PT fez 6.210 votos que nem duplicados alcançaria o quociente mínimo de 14.888. A votação de 33.628 votos, sem dúvida expressiva, a que serviu ou serve? Com apenas 4 candidaturas, grande tempo na televisão, com a divisão da força política, até então hegemônica e a predominância no debate eleitoral de um discurso oposicionista neste primeiro turno o resultado, só não foi natural, porque nele também há méritos do candidato. Seria tola e intolerante uma avaliação diferente desta. Mas a pergunta que não quer calar: a que serviu esta votação? O que restou dela? A escolha de Sofia? Um projeto partidário consistente necessita de uma base de vereadores e de união partidária com construção coletiva, sem imposição de maiorias artificiais, sem isso, estas e outras votações individuais servirão apenas para massagear o ego e para o atendimento de vaidades compreensíveis, quando se trata de indivíduos, mas inaceitável quando se depende de um coletivo para a construção de um projeto político alternativo, que pretenda alcançar maioria e empolgar a população, sem a qual todas as vaidades serão enterradas.

3 comentários:

Fatima Nascimento disse...

Será que mais três anos e poucos meses serão suficientes para o PT assimilar a lição? O quanto antes, melhor, é claro. Roberto, tenho lido freqüentemente seus posts, mas nem sempre comento. Parabéns pelo conteúdo de seu blog. Abraços.

Roberto Moraes disse...

Fátima, valeu pelo comentário. Quanto ao PT de Campos sinceramente não sei dizer. Gostaria imensamente que fossem criadas condições para uma convivência harmoniosa para a estruturação de um projeto coletivo sério e competente. Tenho certeza que temos com o que contribuir para a nossa cidade que tanto necessita. É preciso ter humildade para aprender as lições originadas nas urnas. A análise dos fatos pode ajudar a produzir estas ações.

Roberto Moraes disse...

Fátima, valeu pelo comentário. Quanto ao PT de Campos sinceramente não sei dizer. Gostaria imensamente que fossem criadas condições para uma convivência harmoniosa para a estruturação de um projeto coletivo sério e competente. Tenho certeza que temos com o que contribuir para a nossa cidade que tanto necessita. É preciso ter humildade para aprender as lições originadas nas urnas. A análise dos fatos pode ajudar a produzir estas ações.