sábado, fevereiro 07, 2015

Petroleiros lançam manifesto em defesa da Petrobras e denunciam campanha de desmoralização

A Federação Única dos Petroleiros (FUP) divulgou na quarta-feira, um manifesto (abaixo) em defesa da estatal Petrobras, para o qual pede apoio. Nele, a FUP além de mostrar e resumir importantes questões sobre a história passada e recente e sobre os projetos da empresa, também denuncia os propósitos e objetivos da campanha de difamação geral da empresa.

Insisto que se prenda e puna os ladrões, mas, a companhia é do povo brasileiro e tem tudo para se reerguer. Nessa linha, além de conhecer o manifesto vale conferir a posição dos trabalhadores, através da entrevista do ex-coordenador geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Antônio Carlos Moraes à TV Record News:



Defender a Petrobrás é defender o Brasil. Leia e assine o manifesto

Há quase um ano o País acompanha uma operação policial contra evasão de divisas que detectou evidências de outros crimes, pelos quais são investigadas pessoas que participaram da gestão da Petrobrás e de empresas fornecedoras. A ação institucional contra a corrupção tem firme apoio da sociedade, na expectativa de esclarecimento cabal dos fatos e rigorosa punição dos culpados.

É urgente denunciar, no entanto, que esta ação tem servido a uma campanha visando à desmoralização da Petrobrás, com reflexos diretos sobre o setor de Óleo e Gás, responsável por investimentos e geração de empregos em todo o País; campanha que já prejudicou a empresa e o setor em escala muito superior à dos desvios investigados.

A Petrobrás tem sido alvo de um bombardeio de notícias sem adequada verificação, muitas vezes falsas, com impacto sobre seus negócios, sua credibilidade e sua cotação em bolsa. É um ataque sistemático que, ao invés de esclarecer, lança indiscriminadamente a suspeita sobre a empresa, seus contratos e seus 86 mil trabalhadores dedicados e honestos.

Assistimos à repetição do pré-julgamento midiático que dispensa a prova, suprime o contraditório, tortura a jurisprudência e busca constranger os tribunais. Esse método essencialmente antidemocrático ameaça, hoje, a Petrobrás e suas fornecedoras, penalizadas na prática, enquanto empresas produtivas, por desvios atribuídos a pessoas físicas.

Ao mesmo tempo, o devido processo legal vem dando lugar ao tráfico seletivo de denúncias, ofensivo à consciência jurídica brasileira, num ambiente de obscuridade processual que propicia a coação e até o comércio de testemunhos com recompensa financeira. Na aparente busca por eficácia, empregam-se métodos que podem – isto, sim – levar à nulidade processual e ao triunfo da impunidade.

E tudo isso ocorre em meio a tremendas oscilações no mercado global de energia, num contexto geopolítico que afeta as economias emergentes, o Brasil, o Pré-Sal e a nossa Petrobrás.

Não vamos abrir mão de esclarecer todas as denúncias, de exigir o julgamento e a punição dos responsáveis; mas não temos o direito de ser ingênuos nessa hora: há poderosos interesses contrariados pelo crescimento da Petrobrás, ávidos por se apossar da empresa, de seu mercado, suas encomendas e das imensas jazidas de petróleo e gás do Brasil.

Historicamente, tais interesses encontram porta-vozes influentes na mídia e nas instituições. A Petrobrás já nasceu sob o ataque de “inimigos externos e predadores internos”, como destacou a presidenta Dilma Rousseff. Contra a criação da empresa, em 1953, chegaram a afirmar que não havia petróleo no Brasil. São os mesmos que sabotaram a Petrobrás para tentar privatizá-la, no governo do PSDB, e que combateram a legislação do Pré-Sal.

Os objetivos desses setores são bem claros:

– Imobilizar a Petrobrás e depreciar a empresa para facilitar sua captura por interesses privados, nacionais e estrangeiros;

– Fragilizar o setor brasileiro de Óleo e Gás e a política de conteúdo local; favorecendo fornecedores estrangeiros;

– Revogar a nova Lei do Petróleo, o sistema de partilha e a soberania brasileira sobre as imensas jazidas do Pré-Sal.

Para alcançar seu intento, os predadores apresentam a Petrobrás como uma empresa arruinada, o que está longe da verdade, e escondem do público os êxitos operacionais. Por isso é essencial divulgar o que de fato aconteceu na Petrobrás em 2014:

– A produção de petróleo e gás alcançou a marca histórica de 2,670 milhões de barris equivalentes/dia (no Brasil e exterior);

– O Pré-Sal produziu em média 666 mil barris de petróleo/dia;

– A produção de gás natural alcançou 84,5 milhões de metros cúbicos/dia;

– A capacidade de processamento de óleo aumentou em 500 mil barris/dia, com a operação de quatro novas unidades;

– A produção de etanol pela Petrobrás Biocombustíveis cresceu 17%, para 1,3 bilhão de litros.

E, para coroar esses recordes, em setembro de 2014 a Petrobrás tornou-se a maior produtora mundial de petróleo entre as empresas de capital aberto, superando a ExxonMobil (Esso).

O crescente sucesso operacional da Petrobrás traduz a realidade de uma empresa capaz de enfrentar e superar seus problemas, e que continua sendo motivo de orgulho dos brasileiros.

Os inimigos da Petrobrás também omitem o fato que está na raiz da atual vulnerabilidade da empresa à especulação de mercado: a venda, a preço vil, de 108 milhões de ações da estatal na Bolsa de Nova Iorque, em agosto de 2000, pelo governo do PSDB.

Aquela operação de lesa-pátria reduziu de 62% para 32% a participação da União no capital social da Petrobrás e submeteu a empresa aos interesses de investidores estrangeiros sem compromisso com os objetivos nacionais. Mais grave ainda: abriu mão da soberania nacional sobre nossa empresa estratégica, que ficou subordinada a agências reguladoras estrangeiras.

Os últimos 12 anos foram de recuperação e fortalecimento da empresa. O País voltou a investir em pesquisa e a construir gasodutos e refinarias. Alcançamos a autossuficiência, descobrimos e exploramos o Pré-Sal, recuperamos para 49% o controle público sobre o capital social da Petrobrás.

O valor de mercado da Petrobrás, que era de 15 bilhões de dólares em 2002, é hoje de 110 bilhões de dólares, apesar dos ataques especulativos. É a maior empresa da América Latina.

A participação do setor de Óleo e Gás no PIB do País, que era de apenas 2% em 2000, hoje é de 13%. A indústria naval brasileira, que havia sido sucateada, emprega hoje 80 mil trabalhadores. Além dos trabalhadores da Petrobrás, o setor de Óleo e Gás emprega mais de 1 milhão de pessoas no Brasil.

É nos laboratórios da Petrobrás que se produz nosso mais avançado conhecimento científico e tecnológico. Os royalties do petróleo e o Fundo Social do Pré-Sal proporcionam aumento significativo do investimento em Educação e Saúde. Este é o papel insubstituível de uma empresa estratégica para o País.

Por tudo isso, o esclarecimento dos fatos interessa, mais do que a ninguém, aos trabalhadores da Petrobrás e à população brasileira, especialmente à parcela que vem conquistando uma vida mais digna.

Os que sempre tentaram alienar o maior patrimônio nacional não têm autoridade política, administrativa, ética ou moral para falar em nome da Petrobrás.

Cabe ao governo rechaçar com firmeza as investidas políticas e midiáticas desses setores, para preservar uma empresa e um setor que tanto contribuíram para a atração de investimentos e a geração de empregos nos últimos anos.

A direção da Petrobrás não pode, nesse grave momento, vacilar diante de pressões indevidas, sujeitar-se à lógica dos interesses privados nem agir como refém de uma auditoria que representa objetivos conflitantes com os da empresa e do País.

A investigação, o julgamento e a punição de corruptos e corruptores, doa a quem doer, não pode significar a paralisia da Petrobrás e do setor mais dinâmico da economia brasileira.

É o povo brasileiro, mais uma vez, que defenderá a empresa construída por gerações, que tem a alma do Brasil e simboliza nossa capacidade de construir um projeto autônomo de Nação.

Pela investigação transparente dos fatos, no Estado de Direito, sem dar trégua à impunidade;

Pela garantia do acesso aos dados e esclarecimentos da Petrobrás nos meios de comunicação, isentos de manipulações;

Pela garantia do sistema de partilha, do Fundo Social e do papel estratégico da Petrobrás na exploração do Pré-Sal;

Pela preservação do setor nacional de Óleo e Gás e da Engenharia brasileira.

Defender a Petrobrás é defender o Brasil – nosso passado de lutas, nosso presente e nosso futuro.

Federação Única dos Petroleiros

Para a assinatura do manifesto “DEFENDER A PETROBRÁS É DEFENDER O BRASIL, clique aqui

5 comentários:

Anônimo disse...

Os petroleiros ajudariam muito se contassem tudo que sabem dos esquemas na Petrobras. Ou todos os petroleiros não sabem de nada também?

Contem primeiro o que sabem e depois sim venham pedir apoio à população. No momento, os petroleiros são todos coniventes ou omissos!

Anônimo disse...

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/02/1586807-para-dirceu-crise-pode-ser-pa-de-cal-na-imagem-da-sigla.shtml ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos da Folha estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Folhapress (pesquisa@folhapress.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que a Folha faz na qualidade de seu jornalismo. Se precisa copiar trecho de texto da Folha para uso privado, por favor logue-se como assinante ou cadastrado.

Anônimo disse...

Onde estavam a FUP a AEPET e demais funcionários nos últimos 12 anos, quando começaram os assaltos à Petrobras ? Agora que o Companheiro Chefe diz que estão sendo vítimas de perseguições a turma começa a mostrar a cara.

Anônimo disse...

-Nenhuma palavra sobre Pasadena.
-Nenhuma palavra sobre a maior dívida do mundo contraída por uma empresa
-Nenhuma palavra sobre gestão temerária
-Nenhuma palavra sobre a obra da refinaria de Abreu e Lima, que a Petrobras teve que tocar sozinha depois de a Venezuela dar um pé na bunda na empresa e ainda ter seu preço disparado de 2 para 18 bilhões.
-Nenhuma palavra sobre os cerca de 100 bilhões de Reais para manter os preços dos combustíveis artificialmente baixos, bancados pela Petrobras
-Nenhuma palavra sobre o dinheiro DOS TRABALHADORES DA PRÓPRIA PETROBRAS que foram INCENTIVADOS a colocar o FGTS na empresa, confiando em uma GESTÃO ILIBADA E RESPONSÁVEL.
-Nenhuma palavra sobre a disputa a tapa de políticos parasitas sempre interessados em colocar a mão em estatais "que furam poço"

É verdade que as petroleiras do mundo todo estão sofrendo com o preço mais baixo do barril, mas a situação de nenhuma delas se compara ao descalabro que vemos por aqui, num show de bilhões e bilhões pra lá e pra cá (imagine quantas plataformas, navios, equipamentos e anos de pesquisa foram convertidos em propinas?).

Conteúdo de produção local?? Quantos empregos a própria Petrobras, por decisão do governo, deixou de criar para dar privilégios para empresas nacionais, diversas vezes pagando mais caro por produtos e serviços de qualidade inferior e com prazos maiores, ao preterir os oferecidos por empresas estrangeiras? Parece que não aprendemos nada com aberrações ainda da ditadura, como a Lei da Informática, criando reservas de mercado e protegendo a ineficiência das empresas nacionais. Pelo visto vale mais a pena apostar discurso bonito nacionalista que gera mais dividendos políticos.

E me diz uma coisa: que raio de presendentA é essa que temos que, quando era chefe do conselho de administração da empresa, não via, não ouvia e não desconfiava dessa porra toda acontecendo embaixo do nariz dela????

E agora vêm com essa de ataque midiático, ataque especulativo, ataque imperialista... os maiores ataques que a Petrobras sofre vem de fogo "amigo", da própria máquina Estatal. Para variar, sempre ela, saqueando os brasileiros. Começando lá em cima, nas propinas e licitações fraudulentas, até o preço absurdo da gasolina na bomba, pq agora o cidadão tem que bancar um aumento do preço do combustível quando o preço do barril de petróleo despenca no mundo (inclusive com recomendacão da ANFAVEA de abastecer com gasolina PREMIUM quem tem carro apenas a gasolina, pra agora ajudar o setor sucroalcooleiro, que o governo se dedicou tanto a destruir com uma baixo artificial da gasolina!)

Nós temos que parar com essa palhaçada de apostar todas as nossas fichas e expectativas em riquezas naturais pq uma nação é construída pelo seu POVO, CAPITAL HUMANO, e não petróleo, minério de ferro ou diamantes. Nossa educação está lixo e a tal fortuna do pré-sal ja tem destino certo: começar a pagar uma dívida de 300 BILHÕES atrelada ao dólar q fizeram a Petrobras contrair.

Fernando Andrade Elias disse...

Vivemos em mundo que a meias palavras são verdades absolutas.
A Petrobras e uma mega empresa e vai conseguir se recupera de casos de corrupção.
somos 86 mil trabalhadores próprios com muito orgulho.Fomos selecionados em concurso público e não entrarmos por favores.
Somos uma empresa que detém tecnologia para produzir petróleo em águas ultra - profundas.
E preciso que entendam que a Petrobras não vai parar.