segunda-feira, maio 19, 2014

Projeto do Porto de Ponta Negra em Maricá, RJ

Mais um projeto de terminal portuário segue em fase de licenciamento junto ao Inea. Ele é da DTA Engenharia e seu EIA/Rima foi elaborado pela Arcadis Logo. Tem custo de implantação informado de R$ 1,1 bilhão e prazo de conclusão em 36 meses.

O Terminal de Ponta Negra (TPN) tem previsão de Terminal de Granéis Líquidos para petróleo, Terminal de Contêineres e um Estaleiro. Está previsto área marítima de dragagem, aérea terrestre para aterro hidráulico e terraplanagem para  implantação das instalações.

Este é o quarto projeto de terminal portuário em fase de licenciamento nos 635 quilômetros do litoral fluminense. Além do Porto Sudeste e do Porto do Açu em fase de construção, tem-se o projeto do Porto Canaã em São Francisco do Itabapoana, o projeto portuário de Barra do Furado, entre Quissamã e Campos e o TerPor no litoral do município de Macaé, além da expansão dos complexos portuários da Baía de Guanabara (Rio e Niterói) e do Porto de Itaguaí.

O estado do Rio de Janeiro vive uma profusão de projetos portuários aliado à expansão das instalações de alguns dos portos organizados (públicos) e terminais de uso privado (TUP). O uso dos portos como base de operações offshore de exploração (perfuração e produção) e para atuação da indústria naval em construção e montagens de embarcações, ou para manutenção é uma realidade.

Há evidentemente um crescimento da demanda, mas, também se percebe que o estímulo às novas instalações fazem parte de uma estratégia dos operadores destas instalações que pretendem barganhar melhores tarifas nos acordos e contratos, pelo fato de haver alternativas.

Retornando ao projeto do porto em Maricá, o Estudo de Impacto Ambiental (EIA), um documento de 2.180 páginas pode ser acessado aqui. Já o Relatório de Impacto Ambiental (Rima), um documento resumido de 88 páginas, ambos datados de fevereiro deste 2014, podem ser acessados e copiado aqui. Este blog já fez algumas postagens sobre o assunto. Uma delas em 6 de fevereiro de 2012 aqui. Outra postagem aqui em 28 de agosto de 2013.




7 comentários:

Anônimo disse...

Este lugar vai virar um favelão. Vai
ser pior do que macaé.

Anônimo disse...

E a infra-estrutura? Tem estrada pra isso?
Só querem ganhar dinheiro e o povo que se lasque!
Vergonhoso.
Empreendimento primeiro e Infraestrutura depois. Sem comentários!

Márcio Peixoto de Oliveira Côrrea disse...

Pelo que se vê na foto,parece-me que há um problema sério de segurança industrial causado por um parque de estocagem de inflamáveis próximo a uma área de construção naval,que utiliza solda em todo processo de montagem do navio.

Márcio Peixoto de Oliveira Côrrea disse...

Pelo que se vê na foto,parece-me que há um problema sério de segurança industrial causado por um parque de estocagem de inflamáveis próximo a uma área de construção naval,que utiliza solda em todo processo de montagem do navio.

Anônimo disse...

Este Município vai sair do marasmo em breve. Progresso chegando... Vai ser ótimo! #ValorizaçãoJá

Euclides Melo disse...

O preço do progresso é muito alto,mas para enfrentarmos os desafios que o futuro impõem e para que o Brasil cresça mais e mais rápido essas obras são necessárias para investirmos em educação,saúde,infra estrutura, saneamento básico,segurança,desenvolvimento social etc.Rogamos que todas as medidas de segurança sejam tomadas para evitar derramamento de combustíveis no mar que seria catastrófico para nossa belíssima região.

Victor de Alameida e Silva disse...

Agora que a Petrobras, a grande financiadora, estpá mal das pernas a tendência é que deixem de construir esses terminais novos e concentrem os investimentos nas estruturas existentes.
Quem deve sair do papel é o Porto do Açu e de Barra do Furado.pois já tem alguma coisa construída por ali.