sexta-feira, outubro 31, 2014

Consumidor ou informação volúvel?

Do meu amigo professor José Carlos Salomão em seu perfil no Facebook:

"Deu no Valor Online dois dias ANTES do 2º turno: -> 24/10/2014 às 08h29:

"Índice de confiança do consumidor atinge menor nível desde 2009".

Agora 4 dias APÓS o 2º turno: -> 30/10/2014 às 16h10:
"CNI: Confiança do consumidor sobe em outubro pelo 2º mês seguido".

Como o consumidor é volúvel..."

Desce o pano!

6 comentários:

Rogerio Aguiar disse...

Eu tinha entendido que não haveria alta de juros por parte da presidenta do PT. O que houve?

Roberto Moraes disse...

É a derrota dói e os inconformados tentam arrumar explicações.

Melhor seria como já disse que jogássemos energia no debate das políticas públicas, porque eleição presidencial e disputa pelo poder central só daqui a quatro anos.

http://www.robertomoraes.com.br/2014/10/o-debate-agora-deve-ser-sobre-as.html

Mas, ainda sobre o assunto.

A oposição também disse que os mercados entrariam numa crise sem fim. A presidenta disse que a crise continuava a ser acompanhada e que as ações que fossem necessárias para manter o emprego e quadro econômico mais próximo da realidade seria mantidos. A oposição disse que as ações cairiam e o dólar dispararia.

Pois bem, depois do pico da segunda e terça dos já conhecidos especuladores (os mesmos que fizeram a e ganharam dinheiro dos trouxas por três meses consecutivos) já começa a entrar num ritmo diverso. Ontem, só ontem o dólar cair 2,4% e as bolsas subiram.

Enfim, nada muito diferente do que que vinha sendo feito. Ajustes pontuais para manter e organizar a economia, diante do que se vê no mundo.

Aqui na Europa a crise permanece. Crescimento de décimos do PIB estão sendo comemorados de forma frenética e festiva. Para não deixar a economia cair ainda mais, se vê obras públicas de diversos tamanhos e tipos na Espanha.

Vejo o mesmo aqui também em Roterdã, na Holanda, onde cheguei ontem no final da tarde para ver de perto a evolução do sistema portuário desta enorme cidade holandesa.

Enfim, avancemos o debate para outros pontos mais produtivos.

Sds.

Anônimo disse...

O consumidor e o eleitor, são idênticos.

Boatos e mentiras, principalmente em campanhas eleitorais, os deixam em dúvida.

Infelizmente, devido a falta de hábito e de cultura, de muitos brasileiros, em se buscar informação, ouvindo os dois lados,quer dizer, as duas versões, leva-os a mudar rapidamente de opinião.

E muitos desses consumidores, ou, eleitores ainda agem desse modo, às vezes, seguindo aquela máxima popular que prega o seguinte: "Uma contada várias vezes, soa, como verdade".
Pois é isso tem acontecido, nas eleições.

Rogerio Aguiar disse...

Calma Roberto, só perguntei sua opinião! Acho que o resultado nas urnas ainda não sacudiu suficientemente o PT e principalmente os petistas!

Anônimo disse...

O consumidor ou alguns que tentam manipular tudo?

Digamos que nem todos os índices que o governo apresenta estão certos, mas o que a nossa querida, livre e isenta imprensa apresenta sempre estarão Sertos né?

Roberto Moraes disse...

Consumidor e eleitor são idênticos?

Por esta mesma linha cidadão seria também um consumidor.

Mais, o consumo seria a essência de tudo e também da eleição.

É duro ouvir isto.

Mesmo na sociedade capitalista há que se diferenciar estes conceitos e não embolar tudo.

O risco dessa mistura é achar que o outro é que tem que aprender, mesmo que o outro seja o escolhido democraticamente pela população.

Todos deveríamos estar aprendendo sem soberbas. E digo mais, não são dos doutos e nem pretensiosos de sempre que falam mal dos brasileiros que possuem outra opção.

Repito que sei que a derrota dói e pelo jeito o perdedor quer que o outro é que aprenda.

O choro é livre, mas, não teremos terceiro turno.

Insisto que o debate deveria ser sobre Políticas Públicas.

Sigamos em frente!