sábado, janeiro 02, 2010

O moderno e o atraso

Duas passagens do livro “Espírito Santo”, da Editora Objetivo que estou lendo neste breve recesso da virada do ano e que conta a história do assassinato do juiz, Alexandre de Castro Martins de Castro Filho, um dos expoentes do combate ao crime, violência e corrupção no estado do mesmo nome do livro: “O diabo é isso: o moderno vampiriza o atraso e se alimenta do sangue que a barbárie derrama. De que partidos são os bandidos capixabas, acreanos, fluminenses? Eles são filiados a partidos nacionais que se dizem contrário à bandidagem e à corrupção, mas que abrigam essa turma, com a maior cara de pau”. Outra passagem, que me trouxe indagações que antes não possuía e que trata de um suposto diálogo póstumo com o juiz com também virtual entrevistador, numa tenttiva dos autores de passar a visão de mundo do juiz assasinado: “O sujeito está bandido, não é bandido. Não está condenado a ser para sempre aquilo que foi, no passado, ou que está sendo, no presente. Por isso, o bandido na é um indivíduo, mas um modo de estar no mundo de uma pessoa. A palavra bandido, mesmo podendo funcionar na língua portuguesa como um substantivo, é uma condição e um atributo”.

8 comentários:

Marcelo Bessa disse...

Muito correta a primeira passagem citada.

Anônimo disse...

Boa Noite, Roberto.

Fazer política de forma à ajudar ao próximo, é muito difícil... deve ser muito fácil fazer uma política pensando em si próprio, pensando em ajudar uma pequena equipe... essa política suja, gostaria que vc fizesse uma enquete sobre isso. Te darei um exemplo: EDSON BATISTA, o novo secretário de governo. Abriu espaço para 06 Coordenadorias, que receberão R$ 4 mil por mês. Ainda irão exonerar algumas pessoas, que continuarão recebendo por fora. Ainda nesse luxo todo, terao 2 secretárias com salário mensal de R$ 2.500,00 com carro e motorista à disposiçao. E é claro, gasolina por conta da PMCG. Para alguns essa prefeitura é uma madrasta má, que deixa faltar leite e remédios... Pra outros é uma mae cega que nao enxerga a coletividade e beneficia À sacanagem, extorçao e enfim o beneficiamento próprio. Um abraço. Joao.

Anônimo disse...

"...É UMA CONDIÇÃO E UM ATRIBUTO".
EZ

Anônimo disse...

coitado do doutor Edson e uma passoa honesta mais e fraco não lidera,Angelo Rafael e um pau mandado pensa que manda mais e outro fraco.Fica humilhando os motoristas e funcionarios,mai dar merda naquela sec uma hora

Roberto Torres disse...

Interessante a forma de abordar o tema, principalmente o lembrete de que nao existe o "bandido em si", nem por conta de "destino" nem de "escolha", mas sim uma construcao seletiva da figura do bandido. Seletiva porque somente certo tipo de comportamento é focado para definir alguem ou alguma coisa como sendo bandidas. No Brasil parece dominar dois tipos de definir o bandido: o "deliquente tradicional", ou seja, o pobre e ou negro empurrados para a vida perigosa e delituosa de um lado e o político corrupto de outro. Este como forma única de se conceber uma classe dominante responsável pelo mal, pelo satanas da vida pública.

Com essa seletividade fica fora de foco justamente o lado "obscuro" da economia, dos mercados, das informacoes e decisoes transmitidas em sigilo no sistema economico. Entao o diado no Brasil ainda é pintado como sendo a política e o Estado e o "deus", claro, as supostas virtudes do "homem honesto" do mercado. Casos empíricos para sustentar essa dualidade certamente sao abundantes, mas será que também nao sao abumdantes os casos que refutam a generalidade deste dualismo? Será que o "reino do mercado" (idilicamente pensado como se sua sede fosse em SP) nao tem desde sempre muito mais de corrupacao do que se imagina?

Observacao: porque o autor nao fala dos partidos que recrutam os bandidos se Sao Paulo? Será que SP é nossa única regiao moderna? O que é ser uma regiao moderna? Será que a corrupacao também nao é moderna?

Anônimo disse...

Que pouca vergonha desse povo,sera que pode fazer isso Roberto Morais?cade a justiça?usar o povo dessa forma.Dizem QUE O sub SEC DE GOVERNO ANGELO RAFAEL esta dando cobertura a esse trabalho

Anônimo disse...

"...coitado do doutor Edson...".TADINHO,NÉ?TÁ CÓM PENA ?LEVA PRÁ SUA CASA..."TENHO PENA,TENHO DÓ DE VER MEU GALO PRETO APANHAR DO CARIJÓ"....DEPOIS PASSA,POIS TUDO ACABA EM "SELFFFFFFFF SERVICCCC.....
EZ

Rosângela disse...

E o significativo disso tudo é que é o Espírito Santo quem convence o homem de sua bandidagem, que pode ser analisada até antrosociologicamente, mas que na verdade, é ali entre alma e espírito que tudo é discernido. E a Palavra de Deus é a espada boa para cortar entre alma e espírito e trazer à tona todas as intenções do coração.
Que bom que o bandido não é bandido, e sim, está. Mas se o Espírito Santo não convencê-lo, continuará enganando a si mesmo... e poderá ter um fim triste.

Se o ser humano não é honesto já começa a ser bandido.

Quando o Torres diz:
"não existe o"bandido em si", nem por conta de "destino" nem de "escolha", mas sim uma construcao seletiva da figura do bandido.", não sei o que ele quer dizer.
Relativizar a bandidagem é contribuir para perpetuar o "mau caratismo".
Seja quem for, de que raça ou tribo, ou condição econômica, esteja de que lado estiver, bandido é todo aquele que não respeita a si mesmo e nem ao próximo.

E está sendo desmascarada a bandidagem. Só não vê quem não quer.