terça-feira, julho 23, 2013

33 plataformas decidem parar produção na Bacia de Campos, por 24 horas, na 5ª feira, por mudança da fórmula de cálculo do repouso semanal

Segundo o Sindipetro-NF, trinta e nove plataformas realizaram assembleias para avaliar o indicativo do Sindicato de paralisação de 24 hora, no dia 25 de julho, contra a decisão da empresa, de suspender o pagamentos dos reflexos da hora extra, do Repouso Semanal Remunerado. Trinta e três plataformas já aprovaram o movimento.

O quadro divulgado pelo Sindipetro-NF às 16:18 era o seguinte:

Foram a favor da paralisação: PCE-1; PGP-1; PCH-1; PCH-2; PCP 1/3; PCP 2; PVM-1; PVM-2; PVM-3; P-07; P-08; P-09; P-10; P-12; P-17; P-18; P-20. P-23; P-25; P-26; P-27; P-31; P-33; P-37; P-38; P-43; P-47; P-48; P-51; P-53; P-54; P-56 e P-65.

Contra: PPM-1; P-19; P-40; P-50.

Em duas plataformas houve empate na assembleia: P-35; P-52. No total de participantes das assembleias: 847 votaram a favor e 182 contra.

O Sindipetro-NF protocolou ontem, 22, um ofício ao Diretor de Exploração e Produção, José Miranda Formigli Filho, comunicando a decisão da categoria de realizar uma greve de advertência de 24 horas a partir de zero hora do dia 25 de julho de 2013 até as 23h59 do mesmo dia.

3 comentários:

Marcio Garcia disse...

Professor,
Nenhuma plataforma pára a produção nesses casos, alias, tem muito tempo que isso não acontece. Na verdade os que param são os serviços de manutenção que não comprometam a produção. Exemplo: Pintura de linhas, manutenções preventivas, corretivas que não estejam comprometendo a produção. A forma como escreveu dá a entender que os poços serão fechados, isso não é verdade.

Roberto Moraes disse...

Sim Marcio. Eu compreendo o que fala.

O Sindipetro-NF diz:

Procedimentos

Durante a greve será realizada paralisação parcial dos serviços, com realização apenas dos trabalhos que impactem na saúde, na segurança e na habitabilidade. A orientação da diretoria do NF é a de que a operação da plataforma seja entregue aos prepostos da Petrobrás a bordo de cada plataforma (confira as orientações abaixo).

...

Orientações para a Greve de 25 de julho

Confira abaixo as orientações para os petroleiros para a realização de Greve de 24 horas nesta quinta-feira, 25 de julho de 2013, após aprovação de indicativo do Sindipetro-NF por ampla maioria da categoria petroleira em assembleias que tiveram início no domingo, 21, nas plataformas.

1 - A partir das 23h do dia anterior a mobilização os trabalhadores (dos dois grupos) se manterão reunidos em plenária, inicialmente na sala de controle, para a entrega aos prepostos da Petrobras. Após a entrega, devem se concentrar em local público e amplo da unidade (cinema, quadra, etc.). O objetivo é manter os trabalhadores unidos e reduzir a possibilidade de serem assediados de forma isolada. Todos os assédios ocorridos antes e durante a mobilização devem ser denunciados, imediatamente, ao sindicato informando o nome do e a função do responsável. Os trabalhadores devem estar preparados para as tentativas da empresa de desgastá-los com represálias e punições.

2 - Eleger uma comissão de mobilização para representar os trabalhadores nos contatos com os representantes da empresa e conduzir as discussões na plenária. Essa comissão deve ser composta pelo número de membros que for conveniente e poderá haver rodízio, pelo número de horas que for estabelecido pelos trabalhadores.

3 - No momento da entrega, zero hora do dia 25 de julho de dois mil e treze, os trabalhadores devem cobrar dos prepostos da Petrobras que assinem o documento divulgado pelo Sindipetro-NF, declarando que possuem condições técnicas para dar continuidade à operação segura da unidade. A partir daí os trabalhadores devem seguir a seguinte recomendação para cada uma das situações abaixo:
Situação 1: Caso os prepostos da empresa se neguem a assinar o documento. Os trabalhadores devem registrar a situação. Todos servirão de testemunha deste fato, assinando embaixo do registro. Isso não impedirá que a unidade seja considerada entregue pelos trabalhadores.
Situação 2: No momento da entrega, se os prepostos alegarem não ter condições técnicas e entenderem necessária a parada para preservar a segurança. Os trabalhadores devem se colocar a disposição para realizar a parada segura da unidade. A greve é com entrega da operação e a decisão de parar, se acontecer, é sempre da empresa nesse tipo de mobilização.
Situação 3: Se os prepostos decidirem dar continuidade às operações, e mais tarde, resolverem parar a unidade. Os trabalhadores não vão participar e os prepostos terão que realizar, eles próprios, a parada.

4 - Após a entrega, os trabalhadores do grupo de folga retornarão ao descanso e os trabalhadores do grupo que estaria em serviço permanecerão reunidos em plenária no local pré-definido. Sairão deste local para realizar as atividades que impactem em saúde, segurança e habitabilidade.

5 - Todas as atividades consideradas de impacto para a saúde, segurança e habitabilidade nas 24 horas da mobilização serão realizadas normalmente. No caso de queda da geração da unidade, a manutenção energia elétrica, a ventilação e o ar condicionado do casario são itens necessários para a habitabilidade e devem ser restabelecidos, além de outros sistemas definidos pelos trabalhadores.

Roberto Moraes disse...

Continuando...


6 - As atividades que forem solicitadas pelos prepostos da empresa e gerem dúvidas serão analisadas pela comissão, e se necessário pelo conjunto dos trabalhadores. Se ainda assim as dúvidas permanecerem, o sindicato deverá esclarecer.

7 - Todas as PT’s programadas devem ser analisadas pela comissão para verificar se impactam na saúde, segurança e habitabilidade.

8 - Os trabalhadores não vão participar de cursos ou treinamentos no dia da mobilização. Os embarques e desembarques ocorrerão normalmente e a mobilização ocorrerá somente a bordo das plataformas.

9 – Os trabalhadores continuarão integrando as equipes de brigada, abandono e resgate, já que estas impactam na segurança da plataforma.

10 – Todos os fatos anormais ocorridos deverão ser relatados ao sindicato. Devem ser denunciadas todas as situações que atentem contra a segurança das pessoas a bordo e todos os erros operacionais que ocorrerem e suas conseqüências incluindo possíveis acidentes.